O Dallas Cowboys não poderia passar dois anos consecutivos sem realizar nenhuma troca.

Assim que começou a sexta rodada, o time concretizou uma troca com a primeira equipe que escolheria, o New York Jets. Ao dar uma escolha de quinta rodada de 2018, o Dallas Cowboys assegurou a escolha de número 191 e selecionou o safety Xavier Woods, de Louisiana Tech.

Essa foi a 65ª troca da história da franquia no Draft.

O Cowboys gastou três das primeiro cinco escolhas em jogadores de secundária. Era uma área de necessidade depois das perdas na free agency, como Barry Church, Brandon Carr e Morris Claiborne.

Woods teve cinco interceptações na última temporada por Louisiana Tech, com 14 em sua carreira universitária. Ele fez parte do time que ganhou o Armed Forces Bowl em Fort Worth no ano passado.

Confira abaixo a nossa análise sobre o jogador antes do Draft

Pouco comentado, Xavier Woods pode ser sem dúvidas uma surpresa. Um dos jogadores que visitou o Dallas Cowboys, Woods joga em uma das posições que ainda não foram reforçadas na free agency e no draft.

Woods tem bastante habilidade com as mãos e isso pode ser um diferencial ao jogador. Nas últimas três temporadas, o jogador teve uma impressionante marca de 14 interceptações e cinco fumbles forçados, algo que o Dallas Cowboys precisa no time. Woods ainda tem talento suficiente para ir atrás da bola no momento do passe do QB e também de executar boas jogadas.

Por medir apenas 1,80m, o jogador acaba levando certa desvantagem na posição de safety. Há dúvidas sobre sua velocidade e agilidade em mudar de direção, o que prejudica sua habilidade de reação em algumas jogadas. Ainda assim, o jogador tem o que precisa para corrigir esses erros no nível profissional.

Xavier Woods chegaria para disputar a posição de titular com Jeff Heath. Por mais que ele seja apenas um reserva, o jogador poderia participar de um número razoável de snaps. Sua ótima habilidade de forçar turnovers vai favorecê-lo no time.

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.