Tony Romo só esteve em ação somente em uma campanha desde do jogo do Dia de Ação de Graças de 2015. E, provavelmente, ele nunca mais estará em campo com o uniforme dos Cowboys.

Uma troca ou uma liberação oferece a Romo melhores chances de ser titular, depois de ele perder a posição de titular dos Cowboys para Dak Prescott. Mas de acordo com a esposa de Romo, Candice, jogar por outro time não será a mesma coisa. A lesão de 2016 e a reserva já mudaram o espírito do Romo, segundo ela.

“É difícil, pois ele é competitivo e competia dentro de campo dando seu corpo, sua alma e emoção, sua vida querendo dar um Super Bowl para o Dallas Cowboys e para a família Jones,” disse Candice Romo para Tiffany Clutts durante o episódio de setembro do programa Inside the Huddle. “Esse ano foi difícil, pois parece que tivemos um grande tapete puxado debaixo de nós.”

Candice disse que Romo enfrentar uma adversidade em 2016 não era novidade. Ela o chama de “Pollyanna” pelo seu eterno otimismo, mesmo nas horas mais difíceis, sempre focado não no passado, mas “O que eu posso fazer com isso que tenho que lidar nesse momento?”

E ainda que estivesse sofrendo com uma fratura por compressão na vértebra L1, o que fez com que tivesse uma pré-temporada diferente, Tony, em novembro, fez seu discurso de concessão. Ter se machucado esse ano, quando estava rodeado de mais talento do que ele teve por anos, foi de “partir o coração.” Candice também falou que, ao ver o jogo contra Seattle, teve a “pior sensação do mundo”.

“Você está assistindo seu marido rastejando de dor e sofrimento,” disse ela.

“É um lugar sombrio, provavelmente o mais sombrio em que já estive,” concordou Tony. “Você está triste, se sentindo muito para baixo e pergunta a si mesmo, ‘Por que isso tinha de acontecer?'”

Candice se esforçou para apoiar normalmente “Pollyanna Romo”.  Ela não queria chorar na frente dele, não queria focar muito nos contratempos.

“Seus planos raramente acontecem de acordo com a maneira com que planejamos ou como pensamos que iriam acontecer,” falou Candice. “Então tenho que lembrar a mim mesmo que só posso olhar essa imagem que está quebrada, mas quem sabe o que está por vir a partir disso.”

Com o término da temporada de 2016 dos Cowboys, “o que está por vir a partir disso” parece ser Tony Romo jogando por outro time da NFL. O Houston Texans e o Denver Broncos são destinos prováveis, mas aparecem questões sobre a capacidade dele se manter saudável, que está aproximando dos 37 anos, especialmente sem uma linha ofensiva do calibre de Dallas, em relação a proteção ao quarterback.

Candice sabe que seu marido não irá desistir. Ele é o mesmo cara que foi persistente o suficiente em chamá-la para sair, esperou dois anos para amadurecer, e em sequência fez outro convite para sair, o que eventualmente terminou em casamento. Ele é o mesmo competidor com que ela, de vez em quando, joga basquete, com ambos sendo “um pouco excessivamente competitivos”, o mesmo cara que a levou para caminhar em um encontro de manhã cedo e rapidamente se tornou uma corrida para disputar o primeiro lugar. E como um líder do time, Tony Romo ainda quer ser o cara que faz com que todos se sintam bem, o que ele tem sido desde que esteve com os Cowboys, sempre recebendo os amigos, a família e companheiros de time durante todas essas temporadas.

“É sempre ideia dele e eu fico como ‘Ah, eu não sabia que daríamos uma festa hoje a noite, querido’,” falou Candice sobre a amabilidade de Romo.

Esse Romo é quem Candice prevê como quarterback titular da NFL na próxima temporada, e não aquele se contorcendo de dor em Seattle.

“Eu fico espantada com seu espírito porque as vezes eu desmorono,” disse ela. “Eu me sinto triste por ele e por não ter conseguido realizar o que ele tinha determinado de atingir esse ano.

“Talvez nós ainda conseguiremos. Ele voltará.”

Eduardo Zamarian

Eduardo Zamarian

Colaborador em Blue Star Brasil
Gosto de ver todos os esportes, mas acompanhar o Dallas Cowboys e o Corinthians é obrigação diária. E também todo dia é dia de rock,bebê.
Eduardo Zamarian