Morris Claiborne tem insistido com Rich Bisaccia para usá-lo nos retornos de começo de jogo pelos últimos dois anos.

O técnico de times especiais dos Cowboys finalmente cedeu. Claiborne trabalhou com os times especiais durante a offseason e estava retornando os chutes durante o primeiro treino dos times especiais no training camp realizado nessa segunda de manhã.

“Eu tenho incomodado Rich faz tempo para me colocar para retornar os chutes ” disse Claiborne. “Ele não estava aceitando. Daí depois ele mudou de opinião e ele finalmente me colocou nessa posição durante essa offseason.

“Estou certo que eles gostam da maneira que eu estava agarrando a bola e correndo pelo campo com ela. Agora estou chegando para ficar nessa posição.”

Claiborne foi um jogador de retorno muito explosivo pela Universidade LSU. Ele atingiu uma média de 25,09 jardas por retorno em uma sua carreira universitária — sétimo na história da universidade — e teve um retorno para touchdown de 99 jardas.

Resta saber quantos, e se houver a possibilidade, chutes Claiborne será escolhido para retornar. Os Cowboys têm estado relutante em usá-lo devido seu histórico de contusões. É um fato que, por ele está os três principais cornerbacks do time, faz que isso essa possibilidade se torna uma proposta arriscada.

Mas isso é algo que Claiborne quer fazer.

“É uma parte importante do jogo,” disse Claiborne. “Você pode mudar o jogo, mudar a posição de campo.”

“Eu me sinto capaz de fazer isso. Eu me sinto confortável com a bola em minhas mãos.”

Apesar de Claiborne não ter retornado chutes desde a faculdade, ele disse que se sente a vontade em executar a função. Ele espera ter chances de mostrar o que pode fazer na pré-temporada, mesmo que isso hoje resulte em mais touchbacks.

“Eu não sei o que eles vão fazer,” disse Claiborne enfatizando ainda mais a importância do chute de retorno, “mas por hora eu estou planejando em agarrar a bola e retorná-la para o outro lado.”

Eduardo Zamarian

Eduardo Zamarian

Colaborador em Blue Star Brasil
Gosto de ver todos os esportes, mas acompanhar o Dallas Cowboys e o Corinthians é obrigação diária. E também todo dia é dia de rock,bebê.
Eduardo Zamarian