A

Um pouco depois da derrota de 27×7 dos Cowboys no Mercedes-Benz Stadium, os Falcons publicaram um vídeo em seu site oficial com todos os seis sacks de Adrian Clayborn na partida.

E que maneria sútil de marcar o que foi um dos piores dias da história de um left tackle dos Cowboys.

Left Tackle dos Cowboys, Chaz Green, foi o personagem mais marcante no show de sacks defensivos do Atlanta Falcons. Provavelmente será impossível para Green, que estava substituindo o All-Pro Tyron Smith,  apagar este jogo da sua cabeça. De maneira até corriqueira durante a partida, Clayborn, com seus longos dreads balançando de fora do seu capacete, balançaram na frente de Green e terminavam dando sack no quarterback Dak Prescott. Prescott sofreu oito sacks na partida de Domingo, depois de ter sofrido apenas 10 sacks nos oito primeiros jogos desta temporada.

Tradução: Adrian Clayborn na partida colecionando sacks como se estivesse trocando figurinhas. Assista todos os seis sacks.

Clayborn estabeleceu um novo recorde de sacks em uma partida pela equipe de Atlanta e foi o jogador que mais conseguiu sacks contra os Cowboys na história. Com esta performance na partida, Clayborn foi o segundo jogador com mais sacks em uma partida na história da NFL. Apenas três jogadores conseguiram seis ou mais sacks em um jogo. O ex jogador dos Chiefs, Derrick Thomas, possuí o recorde com sete sacks em uma partida.

Clayborn, que está no seu sétimo ano na liga, conseguiu seis sacks em uma temporada apenas uma vez em sua carreira. Ele tinha dois sacks na temporada de 2017 antes de enfrentar os Cowboys no último Domingo. Quatro sacks vieram quando Clayborn enfrentou Green, que foi substituído por Byron Bell, com cerca de oito minutos faltando para o término do jogo. Com Bell sendo seu oponente, Clayborn conseguiu mais dois sacks antes do final da partida.

“Parece que eu desaprendi toda a minha técnica”, disse Green depois de sair do vestiário dos Cowboys em Atlanta. “Eu tenho que usar melhor as minhas mãos em situações de passe e melhorar minha técnica e desempenho. Eu acho que eu simplesmente não usei e fiz o que eu sei fazer. Pensei muito sobre a minha capacidade técnica. E eu acho que muitas dessas questões são sobre mim. Eu só tenho que seguir adiante. Isso dói, sinto que fui o responsável pela derrota e deixei meu time na mão.

Os Cowboys selecionaram Green da Universidade da Flórida na terceira rodada do draft de 2015. Várias lesões atrapalharam a carreira de a carreira de Green. Ele competiu por uma vaga na equipe na posição de left guard, mas a vaga acabou ficando com Jonathan Cooper. Tyron Smith conseguiu ficar saudável para esta temporada, mas ele machucou a virilha na vitória da semana anterior em cima dos Chiefs. Smith não treinou durante a semana inteira e não conseguiu viajar para Atlanta. Ainda não se sabe se ele poderá jogar no próximo jogo contra os Eagles.

“Obviamente não foi o meu melhor dia”, disse Green. “A derrota pode ser colocada em cima dos meus ombros. Vou me olhar no espelho e corrigir as coisas que eu preciso consertar. Vou consertar isto…Eu fui pego totalmente sem equilíbrio em meu jogo, e isto é fatal em um pass rush. Se você bobear, eles vão conseguir realizar jogadas.”

Não está claro o por que da comissão técnica dos Cowboys demorou tanto para substituir Green ou colocar uma ajuda extra no bloqueio adicional quando era evidente que ele estava sendo massacrado na partida. Outro fator que foi determinante na partida foi que os Cowboys não conseguiu estabelecer um consistente jogo terrestre, e isto ajudou a defesa dos Falcons a facilitar a leitura do ataque dos Cowboys.

“Nós tentamos oferecer alguma ajuda a ele”, disse o treinador Jason Garrett. Nós fizemos algumas formações com jogadas pela esquerda do ataque e nós tentamos dar um apoio a este setor em alguns momentos da partida. Nós não lhe damos ajuda em toda jogada, e nas jogadas em que não colocamos algum bloqueio adicional com ele, foram as jogadas em que a defesa conseguiu realizar os sacks. Esta foi a história da partida.

O proprietário dos Cowboys, Jerry Jones, comentou que o sucesso do pass rush do Falcons na partida foi devido ao seu esquema “Wide 9”. É quando eles colocam os defensive ends bastante aperto nas formações da linha defensiva.

Mas, o center dos Cowboys Travis Frederick e o treinador da linha ofensiva, Frank Pollack, comentaram que não ficaram surpresos com o que os Falcons fizeram na partida.

“Nossa linha ofensiva tentou de tudo e jogamos como uma unidade”, disse Frederick. “É difícil colocar a culpa em somente um jogador, porque há maneiras de obter ajuda e maneiras de esquematizar para realizar esta ajuda. Então, como grupo, nós assumimos a derrota. Eu vou assumir esta responsabilidade, porque é também meu trabalho ajustar algumas dessas coisas”.

Prescott disse claramente que a pressão que sofreu na partida foi uma das causas que atrapalharam o seu jogo, mas ele deixou claro que todos os sacks sofridos não foram culpa apenas de Green, evitando o efeito bola de neve em cima do jogador.

“Nós tentamos ajudar como uma unidade, é assim que a linha ofensiva deve ser tratada”, disse Prescott. Nós não vamos culpar apenas um jogador pelo mal desempenho. Nós não vamos apontar o dedo e dizer que a culpa é do Chaz. Será o que for. Nós iremos voltar e analisar o que aconteceu na partida. Provavelmente em alguns lances eu poderia soltar a bola mais rápido. Vamos voltar e analisar essas coisas e tentar melhorar com isto.

Dallas esteve de olho em Clayborn, que forçou dois fumbles no último Domingo, quando ele era um free agent em Março de 2016. Enquanto ele optou permanecer em Atlanta, ele ainda conseguiu se tornar parte da história dos Cowboys, mesmo que seja também parte da história de Green, e fez com que os Cowboys se arrependessem das escolhas feitas no passado.

“Foi incrível, disse o safety dos Falcons Ricardo Allen sobre a atuação de Clayborn”. “Todo mundo estava assim: Clayborn já tem cinco sacks! Eu fui até ele e falei: Qualquer um pode fazer isto cinco vezes”. E ele me disse que poderia obter o sexto. Ele acabou conseguindo. Este foi um jogo incrível.

Marcus Vinicius Tavares

Marcus Vinicius Tavares

Colaborador em Blue Star Brasil
Torce para os Cowboys desde 1995 e acompanha fielmente o time desde 2005. Curte o bom e velho rock and roll e tem como a comida favorita: Hamburger! Trocar idéia e beber uma gelada são seus passatempos prediletos.
Marcus Vinicius Tavares