Por anos nós ouvíamos como o quarterback Tony Romo era um cara competitivo. Uma entrevista do vice-presidente do time Stephen Jones para a Sports Illustrated mostrou o quanto Romo estava lutando por sua vaga como titular antes de finalmente dizer que ela pertence ao Dak Prescott em uma nota.

Jones admitiu para Albert Breer, do SI, que Romo se encontrou com membros da diretoria e da comissão técnica que ele gostaria de uma chance para ter de volta sua posição de titular.

“Ele é muito brilhante. E quando ele veio e disse para nós, no fim, eu não acho que deu muito tempo para ele perceber que isso não seria uma boa coisa para o time. Nós temos algo bom, e ninguém quer Dak pressionado por ele.”

O calouro Prescott superou todas as expectativas desde que tomou o lugar de Romo, estabelecendo novos recordes para quarterbacks calouros e liderando o Cowboys para um recorde de 8-1.

“Nós temos muita confiança de que Dak é nosso futuro”, disse Jones para Breer. “Nós vimos o suficiente. E você pode dizer, ‘Bom, só foram nove jogos’. Não, é o completo trabalho. E não é apenas em campo, é fora de campo também. É como ele lida com cada situação — como virar o jogo em San Francisco. Semana passada, ele liderou o time em um game winning drive duas vezes em Pittsburgh. Ele virou o jogo contra Philly.”

“Ele vem cumprindo cada tarefa”.

Jones disse que ele acha que Romo entende a situação que o time está.

“Como um competidor, ele quer (ser titular)? Sim. Ele não estaria na NFL se ele não tivesse isso queimando dentro dele. Ele está morrendo de vontade de jogar. E ele falou durante toda a offseason, ele nunca esteve tão animado com o time, ele mal podia esperar. E agora vemos ele treinar como esperávamos que ele treinasse, e o time conseguindo algo especial, e ele voltando a ficar saudável, isso não é egoísmo. É apenas difícil. Ele é tremendamente altruísta, porque ele entende isso.”

Jones ainda rasgou elogios pela nota de Romo para a imprensa:

“Tremendo respeito e compaixão. Para mim, essa é a epítome do time. Todo mundo preza pelo time. Essa é a epítome de colocar o time em primeiro lugar. Ele é um competidor tremendo, um dos melhores quarterbacks da NFL. Mas ao mesmo tempo, ele respeita o que está acontecendo com o time. Eu não posso dizer o quanto eu respeito ele.”

Então… dois boms quarterbacks no mesmo time? Esse é um dos melhores problemas para se ter na NFL, certo?

“Eu não diria um problema bom. É uma boa situação”, disse Jones. “É difícil para Tony e todo mundo que ama Tony, e é isso que é toda a organização. Mas estamos focados no Dak. (…) Dak é especial também. Essa é uma grande situação. Esse é o melhor elenco que tivemos em um time em toda a era do salary cap. Todos os caras aqui acreditam nisso. Tudo começou quando Kellen (Moore) se machucou e Dak passou de 3º para 2º quarterback.”

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.