Algumas ideias foram obtidas sobre Taco Charlton no início do training camp quando ele competiu em exercícios de um contra um com ofensives tackles reservas que não estariam no time durante a temporada.

Outras foram obtidas no início da pré-temporada quando T.J. Watt, que foi escolhido pelo Pittsburgh Steelers duas posições após o Dallas Cowboys escolher Charlton, teve dois sacks em seu primeiro jogo. Outros pelo menos esperaram até a temporada regular, quando Charlton não teve mais de um tackle nos primeiros sete jogos nem nenhum sack.

Charlton sentiu os olhares no campo de treinamento, pré-temporada e no início da temporada regular, mas sabia que ele poderia mudar os pensamentos apenas pelo que fazia no campo. E às vezes isso não é suficiente.

Ao final da temporada, Charlton estava jogando seu melhor futebol. Ele teve três sacks nos últimos nove jogos e oito de suas 11 pressões no quarterback nos últimos quatro jogos.

“Eu diria para que mantenha a mesma raiva. Se você me odiou, continue me odiando”, disse Charlton na última semana da temporada regular. “Eu vou continuar a me esforçar para chegar lá. Não se torne um fã agora. Eu sou uma pessoa que quem você vê hoje não é quem você verá amanhã. Eu vou continuar a melhorar e ser um grande jogador nessa liga”.

As estatísticas finais de Charlton são modestas. Os técnicos creditaram-no com 19 tackles, um tackle para perda de jardas e um fumble forçado junto com seus três sacks e 11 pressões no quarterback.

Watt terminou com sete sacks. Takkarist McKinley, a 26ª escolha geral do Atlanta Falcons, teve seis. Mas Charlton teve mais sacks do que Charles Harris, quem o Miami Dolphins escolheu na escolha número 22 geral. Solomon Thomas, a terceira escolha geral, também teve três sacks.

“Eu pensei que ele iria melhora à medida que o ano continuava, começou a fazer algumas jogadas de impacto, conseguindo sacks nos quarterbacks, fazendo algumas jogadas de lateral a lateral”, disse o treinador Jason Garrett sobre Charlton. “Ele continuará a crescer. Ele está em um bom ambiente com os jogadores veteranos daquela posição e a equipe de treinadores. Então ele tem que refletir sobre este ano e construir algumas coisas boas e certamente continuar a crescer de muitas maneiras diferentes”.

Os Cowboys queriam mais de Charlton em 2017. Charlton queria mais de si mesmo em 2017. Os pass rushers geralmente precisam de tempo. Os Cowboys trocaram escolhas para selecionar DeMarcus Lawrence na segunda rodada em 2014, e ele não conseguiu nenhum sack na temporada regular. Em 2012, os Cowboys selecionaram Tyrone Crawford na terceira rodada, e ele não teve nenhum sack como calouro.

Lawrence teve 14,5 sacks em 2017. Crawford teve quatro, mas jogou melhor do que o total indica.

“Apenas tendo esses dois caras, vendo onde eles estão agora, como estão fazendo jogadas, fazendo coisas boas, as pessoas me perguntam: ‘Por que você não joga mais tempo? Bem, quando um cara tem 15 sacks na sua frente, é difícil estar em mais jogadas”, disse Charlton. “Mas apenas aprendendo com ele, vendo seu crescimento e até mesmo assistindo o filme dos técnicos e ver onde ele estava e onde ele está agora, você pode ver a melhora que ele conseguiu em seu jogo. Eu posso apenas aprender com aqueles dois, construir e saber que o céu é o limite”.

Os Cowboys precisarão mais de Charlton em 2018. Lawrence, que está programado para ser um agente livre, mas que deverá retornar com um contrato de longo prazo ou com a franchise tag terá que lidar com mais atenção. David Irving, um agente livre restrito, teve sete sacks em oito jogos em 2017 e poderia jogar mais no interior da linha na próxima temporada.

Charlton passou por esse processo antes. Ele não teve nenhum sack em seu primeiro ano em Michigan. Em cada uma das três temporadas seguintes, seus totais de sack aumentaram, terminando com 9,5 sacks como senior e com 10 pressões no quarterback.

“Eu definitivamente cresci mais rápido no meu ano de calouro nos Cowboys do que eu fiz meu ano de calouro em Michigan, só porque tenho muito mais conhecimento agora sobre o que fazer para melhorar basicamente a uma taxa mais rápida”, disse Charlton. “Para muitos jogadores de linha defensiva, eles devem passar por uma curva de aprendizado. Estou me sentindo como me sentia quando estava jogando (no final da temporada), se você me colocasse no início da temporada agora, eu poderia ter muitos números excelentes. Eu vou ter que esperar até a próxima temporada para ter os números que eu quero”.

Carlos Ramalho

Carlos Ramalho

Colaborador em Blue Star Brasil
Sofreu do famoso amor à primeira vista com a NFL em 2010 e se encantou com os Cowboys no mesmo ano. Desde então, segue fielmente o Time da América!
Carlos Ramalho