Por um breve momento, parecia que o Cowboys assegurou o futuro da posição de quarterback. Por pouco tempo.

No fim da primeira rodada do NFL Draft na quinta-feira, o Cowboys fez uma oferta de troca com o Seattle Seahawks, O Dallas subiria da 34ª para a 26ª escolha geral com um objetivo claro em mente: selecionar um sucessor para desenvolver atrás de Tony Romo.

“Nós tentamos muito uma troca para pegar um quarterback — Paxton Lynch”, disse o dono e gerente geral do Cowboys, Jerry Jones.

Havia apenas um problema: o Denver Broncos teve a mesma ideia, e sua oferta foi melhor.

“Francamente, dê créditos para Denver”, disse Jones. “Eu achei que tínhamos conseguido. Foi por muito pouco”.

Foi uma noite que não era esperado ter muito drama na posição de quarterback, dado a forma como o Draft começou. Assim como esperado, os dois melhores quarterbacks saíram cedo: Jared Goff foi a 1ª escolha geral e Carson Wentz saiu logo depois. Apesar de uma offseason de discussão, não houve muita oportunidade para o Cowboys selecionar um QB com a 4ª escolha geral, e eles optaram por selecionar o running back Ezekiel Elliott.

Das palavras do vice-presidente executivo Stephen Jones, o interesse em Lynch surgiu com a primeira rodada chegando ao fim.

“Quando ele caiu na metade da rodada, nós começamos a prestar mais atenção no que poderia ser algo que nós poderíamos colocar nossas mãos”, disse.

Agora está bem documentado, mas as preocupações do Cowboys na posição de QB é uma das maiores histórias pela NFL. Tony Romo está se recuperando de uma cirurgia para fortalecer sua clavícula que arruinou sua temporada de 2015. Atrás dele está Kellen Moore, já que o Cowboys optou por não contratar outro QB durante a free agency.

Lynch oferecia uma intrigante — e crua — opção como um potencial reserva e possível titular no futuro.

“Ele era um dos melhores prospectos, provavelmete o que tinha maior potencial em todo o Draft”, disse Jerry Jones “Parabéns para Denver.”

É claro, a própria preocupação do Broncos justifica a mudança. Peyton Manning se aposentou e a escolha de 2012, Brock Osweiller, assinou com Houston nessa free agency. No momento que o Broncos fez a troca, eles tinham apenas Mark Sanchez como opção viável para o ataque em 2016.

“Nós fizemos um grande esforço. Nós tentamos”, disse Stephen Jones. “Em muitas vezes nós conseguimos acertas as coisas, e ontem isso não aconteceu”.

Denver deu sua escolha de número 31 e a de 94 pela escolha de número 26 de Seattle. Foi uma oferrta que Jerry Jones disse que era melhor que a sua própria, embora não por falta de esforço.

“Nós oferecemos algo que provavelmente era menor que Denver”, dsse. “Mas nós achávamos que conseguiríamos fechar, mas eles não nos colocaram para falar com Denver para nos dizer o que eles estavam negociando do outro lado.”

Pode parecer um resultado decepcionante, mas provavelmente não será o fim do esforço do Cowboys para pegar um quarterback calouro. Goff, Wentz e Lynch já foram selecionados, mas Dallas fez um trabalho extenso em quatro outros QBs, — todos eles permanecem disponíveis entrando no segundo e terceiro dia de Draft.

“Nós vamos reavaliar e olhar nossa situação com os quarterbacks restantes”, disse Stephen Jones. “Eu não diria necessariamente que nós estaremos fora de procurar um, mas também não diria que investiríamos tudo em um. É algo que nós iremos avaliar. Se o quarterback certo sobra novamente e nós gostamos dele, então nós realmente não vamos descartar nada.”

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.