Free Agency – A situação do Cowboys

Free Agency – A situação do Cowboys

614
foto: fansided.com

Na próxima terça-feira, dia 10, abre oficialmente o mercado da NFL, e os jogadores em fim de contrato estarão livres para assinar com qualquer franquia da liga. Com pouco espaço no teto salarial, o Cowboys não deve ser muito ativo nos primeiros dias de mercado.

Após renovar com Doug Free, Dallas se encontra pouco mais de 1 milhão abaixo do teto salarial para a temporada de 2015, que será de aproximadamente 148 milhões para o Cowboys (143 milhões estipulados pela liga + espaço do cap não utilizado na última temporada). Porém, o Cowboys ainda pode fazer algumas movimentações para abrir espaço no salary cap e tentar renovar com alguns free agents importantes, ou buscar alguns jogadores que estavam em outras equipes.

A primeira movimentação possível é reestruturar contratos. Esse método é muito utilizado pelas franquias da liga para abrir espaço no teto salarial em uma determinada temporada, e sua essência é muito simples: Transformar o salário base de um jogador na temporada em bônus de assinatura. O jogador recebe o dinheiro no momento da reestruturação, porém esse valor é dividido e contará igualmente em cada ano restante do contrato do atleta no salary cap. 

Apesar de seu benefício em uma temporada, a reestruturação pode causar problemas futuros no teto salarial, pois aumenta a quantia que será contada no salary cap em cada um dos anos seguintes. O principal contrato que pode ser reestruturado pelo Cowboys é o de Tyron Smith. Ele ainda é um jogador jovem, e seu vinculo com Dallas vai até 2023. Reestruturar o contrato de Smith pode abrir até 8 milhões na folha salarial do Cowboys.

Outro contrato que pode sofrer uma reestruturação é o de Tony Romo, porém esse é inviável. Romo contará 27 milhões na folha salarial do Cowboys em 2015, maior marca da NFL, porém ele estará com 35 anos quando a temporada começar, e uma possível reestruturação irá aumentar ainda mais o salário de Romo nas próximas temporadas, e o impacto no teto salarial seria muito grande caso Romo precisasse ser cortado.

Outra movimentação que Dallas pode fazer é pedir para que Brandon Carr aceite uma redução salarial, como Doug Free fez em 2013. Carr não atingiu as expectativas após assinar um contrato de 5 anos, no valor total de 50 milhões de dólares em 2012. O cornerback irá contar mais de 12 milhões no teto salarial da equipe em 2015, e uma redução no seu salário base, que é de 8 milhões, faria sentido para ambas as partes, já que Carr provavelmente não conseguiria um novo contrato tão bom quanto o que recebe em Dallas. A redução salarial funcionou para Free em 2013, que voltou a jogar bem, e conseguiu um bom contrato que garante sua permanência na equipe até 2017.

Ainda, o Cowboys pode tentar buscar um contrato longo com Dez Bryant. Após receber a franchise tagBryant contará quase 13 milhões no salary cap em 2015, e um novo acordo pode reduzir bastante essa quantia, principalmente no primeiro ano de contrato do camisa 88. Dallas também pode cortar alguns jogadores ou tentar reestruturar o contrato de outros atletas diferentes dos já citados, porém é improvável que isso aconteça nos próximos dias.

Com o período de free agency se aproximando, esses são os movimentos possíveis para que Dallas tenha mais dinheiro disponível para contratar jogadores. Assim como nos últimos dois anos, o Cowboys não deve buscar grandes nomes no free agency, pela limitação financeira e também pela falta de resultados de contratar grandes jogadores no mercado da NFL. Com isso, o time deve se contentar em assinar com alguns jogadores baratos e que possam acrescentar a equipe, como foi o caso de Justin Durant em 2013 e Jeremy Mincey e Terrell McClain em 2014.

O Cowboys ainda tem jogadores importantes que, por enquanto, não tiveram seus contratos renovados, como DeMarco Murray, Bruce Carter, Rolando McClain, Justin Durant, Sterling Moore, Anthony Spencer e Nick Hayden. Existem diversas formas para dar mais flexibilidade financeira ao Cowboys, porém o time não deve assinar com grandes nomes e comprometer o teto salarial dos próximos anos. A renovação de alguns dos importantes free agents e a contratação de um ou dois jogadores de baixo e médio custo devem ser as principais movimentações de Dallas nos primeiros dias de free agency. 

Leonardo Sangiorge

Acompanha a NFL desde 2009. Desde então, torce para o Cowboys e sofre com o time a cada jogo. Escritor das colunas Two Minute Drill e Matchups, além de participante do PodCast. Valeu?