Jerry Jones admitiu nesta terça-feira o que a maioria de nós já havia suposto: o presidente Trump o levou a assumir uma posição dura em relação aos protestos no hino, quanto ao time do Dallas Cowboys. O que Jones está sugerindo agora é que ele está fazendo um favor aos seus jogadores retendo o tempo de jogo.

“Eu quero que eles tenham a munição para dizer a qualquer um que lhes perguntem, se fazer qualquer outra coisa ou demonstrar algo de diferente, durante esse período de tempo, que ele não vai jogar se eu fizer isso”, disse Jones em seu programa de rádio semanal em 105.3 The Fan na KRLD-FM. “Esta é uma questão do local de trabalho. Não quero que haja nenhum mal-entendido em relação a como eu quero que o pessoal dos Cowboys esteja quando estamos no local de trabalho número 1 que temos, que é o campo no dia de jogo. Quero fazer para todos um serviço, como eu devo liderar o time e vamos ser muito claros sobre quais são nossas expectativas”.

Como foi dito no podcast semanal “Doomsday” com Ed Werder, Jones acreditou que ele fez um acordo com seu time quando ele se ajoelhou antes do hino em Glendale, Arizona. Eu tenho certeza de que seus jogadores não estavam cientes de que eles entraram em um pacto com Jones. Ele acreditava  que toda a controvérsia poderia desaparecer depois daquele notável fim de semana e que seus jogadores apreciariam seu gesto e, por sua vez, continuariam a atenção durante o hino. E talvez isso acontecesse sem que Jones fosse a público com seu decreto. O que Jerry admitiu na terça-feira é que o presidente Trump absolutamente obrigou ele a fazer isso.

“Eu sou amigo do presidente, não concordamos em muitos, muitos assuntos”, disse Jones. “Eu realmente estou sendo apolítico. Mas eu realmente não posso me dar o luxo de ser quando se trata dos Dallas Cowboys e do meu trabalho número 1. Estamos lidando com a questão em parte porque [Trump] tem sido muito ativo nisso. Isso o provocou. E é por essa razão que eu tive uma linha brilhante de pensamento.

Eu posso atestar que Jones é um amigo íntimo de políticos de ambos os lados. Ele e o ex-presidente Bill Clinton permanecem próximos até hoje. Mas para assumir uma posição tão rígida e, em seguida, tentar anexá-lo a um manual genérico de operações de jogo, algo que os jogadores não sabem nada sobre isso é um exagero. Sinceramente, acho que Jerry decidiu que grande parte da base de fãs já teve o suficiente dos protestos durante o hino na NFL e gostaria de se concentrar no jogo. Ele acredita que tomar essa posição de linha dura proporcionará uma cobertura para jogadores e fãs. É essa crença que o fez fazer esta declaração sem graça durante seu programa de rádio:

“Estamos tentando tirar a mente das pessoas dos tempos difíceis”, disse ele. “Estamos tentando tirá-los de todas as outras partes do jornal … e tentar levá-los para a página de esportes, onde eles não deveriam estar lendo sobre nada além de quão ineptos somos defensivos ou ofensivos, ou o quão bom somos como uma equipe. E esse é o nosso papel. “

É minha afirmação de que ainda podemos explicar a defesa “inepta” dos Cowboys enquanto cobrimos o enredo dos protestos da NFL. Este foi o momento “stick to sports” de Jerry. Certamente, ele sabe que não falou coisa boa. Quando o presidente do nosso país se dirige à NFL por falta de patriotismo, algumas dessas declarações acabarão nas “páginas de esportes”. Jerry está recebendo muitas criticas pelo o que disse, mas ele se preocupa principalmente com os fãs dos Cowboys. Talvez eu esteja sendo ingênuo agora, mas eu apostaria o meu próximo salário que os Cowboys não perderão muitos devido à postura de Jerry. Especialmente se eles comprarem essa ideia de que ele realmente esta tirando a pressão de seus jogadores. Agora, seus jogadores apreciam esse “favor” que ele está fazendo por eles?

Vinicius Iori

Vinicius Iori

Colaborador em Blue Star Brasil
Torce, ama e sofre com o Cowboys desde 2006 e sonha em assistir um jogo no AT&T Stadium.
Vinicius Iori