Jerry Jones ainda pensa muito sobre a sua recente eleição ao Hall da Fama da NFL. Ele disse nesta quarta-feira (09) que se sentiu “engraçado” após ser ter recebido a honraria da liga.

O reconhecimento significou muito, disse ele, principalmente porque ele teve ao seu lado a presença de amigos e familiares que o apoiaram durante tanto tempo. Entre os nomes dos seus incentivadores estava o de Tony Romo.

“Ninguém foi mais cedo ou mais rápido me dar um abraço”, declarou Jones sobre Romo. “Ninguém se fez mais presente do que Tony. Não é segredo que eu o admiro tanto como pessoa quanto como jogador.”

Os dois têm sido muito próximos durante a última década, seja assistindo o neto de Jones jogando futebol americano ou no dia-a-dia dos Cowboys.

“A equipe que temos, especialmente do lado ofensivo, foi construída para Tony”, disse Jones. “É isto o que é. É algo que temos que abordar. Eu não sei como vamos, enfim, resolver isto e ninguém deve se alarmar porque ainda não se tem todas as respostas. Mas vamos trabalhar para isso.”

Jones ainda comentou que o seu relacionamento estreito com o camisa 9 não vai necessariamente dificultar a decisão. Em vez disso, é possível que uma compreensão mútua ajude as duas partes a encontrar um denominador comum.

“A principal coisa é que vamos trabalhar a partir deste ponto. Temos uma base sólida para conseguir passar por isto.”

Enquanto isso, os Cowboys continuarão analisando se Tony Romo ainda se encaixa de alguma forma na equipe ou não. Jones disse que está orgulhoso da emoção gerada pela própria equipe durante a temporada de 2016, principalmente no que diz respeito às novas sensações, Dak Prescott e Ezekiel Elliott, e até mesmo ao Técnico do Ano, Jason Garrett. Basta esperar qual decisão será tomada e apenas a temporada de 2017 poderá responder o quão acertada ela foi.

Márcio Silveira
Sigam-me

Márcio Silveira

Colaborador em Blue Star Brasil
Torcedor do Dallas Cowboys desde 2011, quando passou a acompanhar a NFL. Sonha em ver o time no Super Bowl cada vez que a temporada começa.
Márcio Silveira
Sigam-me