NFL aceita nova política de drogas, e Scandrick volta a treinar

NFL aceita nova política de drogas, e Scandrick volta a treinar

221

(foto: www.ktbs.com)

 

Depois de faltar pendências para a NFL aceitar a nova política de drogas indicada pela associação de jogadores (NFLPA), ambas as partes chegaram a um consenso. Dessa forma, Orlando Scandrick foi liberado a já voltou aos treinos do Cowboys no Valley Ranch.

Scandrick, titular em 15 dos 16 jogos de Dallas na temporada passada, testou positivo para o uso de anfetamina durante a offseason e foi suspenso por quatro jogos. Liberado, Orlando já pode jogar no próximo domingo, contra o St. Louis Rams. Jason Garrett, no entanto, prefere ser mais cauteloso sobre o assunto.

“Nós vamos ver como ele vai se sair no treino de hoje”, disse Garrett. “Nós acreditamos em situações competitivas. Nós não temos nenhuma doutrinha sobre uma pessoa ser titular e depois de voltar de lesão ela volta a ser titular. Nós olharemos pros jogadores e veremos quem pode ajudar e ver qual em função eles podem nos ajudar. Ele (Scandrick) é certamente um bom jogador para nós. Os outros caras jogaram bem na sua ausência, mas estou animado de tê-lo de volta.”

Com Scandrick suspenso, Morris Claiborne e Sterling Moore eram os titulares nos últimos dois jogos. Apesar de terem tido uma partida ruim contra o 49ers, os dois acabaram tendo um desempenho bom contra o Titans, anulando os wide receivers de Tennessee. Se a política de drogas antiga tivesse se mantido, eles seriam os titulares até o dia 5 de outubro, contra o Houston Texans, quando Scandrick voltaria e poderia voltar a ser titular.

Scandrick, que estava treinando com um personal trainer em Los Angeles, teve uma breve conversa com Jason Garrett, que achou o cornerback em boa forma física.

“Ele tem um espírito competitivo”, disse Garrett. “Ele tem algo que nós achamos positivo e contagioso para nosso time. Ele é um bom jogador. É bom tê-lo de volta ao grupo”.

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.