Com mais uma grande partida, o Dallas Cowboys foi até a casa do maior rival da AFC e conquistou sua oitava vitória consecutiva pelo placar de 35 a 30 e se tornou o melhor time da NFL em 2016. O Blue Star Brasil avalia a performance do time na partida em ótimo, bom regular, ruim e péssimo, separando-as por setores e posições. As notas são compostas por uma média formada pela opinião dos integrantes do Blue Star Brasil.  Confira:

As notas são compostas por uma média formada pela opinião de 8 dos integrantes do Blue Star Brasil. Confira:

ATAQUE

Quarterback – Mais uma prova de fogo para o calouro que está surpreendendo a NFL em 2016 e mais um sucesso. Dak não começou muito bem o jogo, errando alguns passes fáceis e fazendo algumas leituras de jogadas equivocadas, mas depois mostrou muita força e determinação para encontrar o caminho certo que levasse a vitória. Conseguiu três campanhas cruciais no último período e no momento decisivo, mostrou porque é o homem que liderará esse time durante alguns anos. Seus números estão melhorando. Mais um jogo de 300 jardas e melhores passes longos, principalmente para Dez Bryant. Se Dak começar a anotar 300 jardas por jogo e Ezekiel Elliott passar das 100 jardas, os adversários terão mais dificuldade do que já tem para parar os Cowboys.  BOM (8 bons)

Running Backs – Duzentas e treze jardas totais, três touchdowns, a maior jogada do time em 2016, a garantia da oitava vitória consecutiva diante da torcida adversária, mais de 1000 jardas em apenas 9 jogos, muitos bloqueios, muitas jardas após o contato, destaque da partida e candidato fortíssimo a MVP da NFL em 2016.. Enough said. Temos que destacar também um bom bloqueio de Lance Dunbar numa blitz dos Steelers que certamente resultaria num sack e não no longo touchdown de Dak Prescott para Dez Bryant. ÓTIMO (8 ótimos)

Wide Receivers – Antes da partida, foi dada a triste notícia de que o pai do jogador Dez Bryant havia falecido. Era de se esperar que Dez entrasse em campo com muita vontade para honrar seu maior ídolo e assim o fez. Foram 116 jardas e um touchdown emocionante para o wide receiver número 1 do time. Cole Beasley não foi tão bem como vinha sendo, errando algumas rotas e alguns recepções. Entretanto, quando foi acionado nos momentos finais, novamente não decepcionou. Terrance Williams pouco apareceu. BOM (8 bons)

Linha Ofensiva – Cedeu dois sacks a uma das piores defesas da NFL no quesito, sendo um deles que teve como resultado um fumble no início da partida. Além disso, cometeu muitas faltas que prejudicaram as posições de campo, principalmente no primeiro tempo. Mesmo assim, foram extraordinários novamente, principalmente nos bloqueios para Ezekiel Elliott. Os que resultaram nos touchdowns de 83 e 32 jardas foram fundamentais. Destacamos em especial o bloqueio feito por Ronald Leary no touchdown de 83 jardas. Leary já foi criticado por nós em avaliações anteriores, mas tem melhorado a cada jogo. Além disso, a linha ofensiva protegeu muito bem Dak Prescott nas campanhas finais, quando o time precisava desesperadamente da vitória. ÓTIMO (8 ótimos)

Tight Ends – Jason Witten foi novamente muito bem na partida. Apesar de ter falhado no bloqueio que acabou resultando no fumble de Dak Prescott, o camisa 82 novamente apareceu muito bem como opção em terceiras descidas, principalmente no final do jogo. Teve bons números: 59 jardas recebidas em 6 recepções. Outro destaque foi Gavin Escobar, autor de um bloqueio fundamental no último touchdown de Zeke que selou a vitória por 35 a 30.  ÓTIMO (4 ótimos e 4 bons)

Scott Linehan, coordenador ofensivo – Scott Linehan segue fazendo um excelente trabalho com esse ataque. As jogadas escolhidas foram muito boas e conseguiram atordoar a defesa dos Steelers. O destaque foi a performance nos momentos finais do quarto período. Além disso, Linehan fez um bom trabalho nos passes de Dak para Dez. O jogador foi melhor envolvido e menos bolas forçadas foram jogadas em sua direção. Destacamos uma jogada em especial: a que resultou no touchdown de Dez Bryant. No mano-a-mano com apenas um defensor, Dez quase sempre é fatal. Linehan deve utilizar mais essas jogadas daqui para frente.  ÓTIMO (5 ótimos e 1 bom)

DEFESA

Linha Defensiva – Tudo bem que Pittsburgh possui uma das linhas ofensivas que menos cedem sacks na NFL e que Big Ben Roethlisberger é muito bom em escapar de pressões, mas isso não justifica a fraca performance da linha de defesa dos Cowboys. À exceção de Demarcus Lawrence, autor de 1 sack, um fumble forçado não recuperado pelo time e um tackle preciso para a perda de jardas, poucos jogadores apareceram para pressionar Big Ben. Isso prejudicou a desfalcada secundária do time. A performance pífia no penúltimo drive do jogo, quando Big Ben correu o campo muito rapidamente não cai na conta dos defensive linemans. Como Lawrence foi muito bem, o conjunto fica com nota REGULAR (5 regulares e 3 ruins)

Linebackers – Destaque na última partida, não foram muito bem no jogo contra os Steelers. Por um lado, conseguiram parar o jogo corrido do bom running back Le’von Bell, limitando-o a apenas 57 jardas terrestres em 17 tentativas. Por outro, ficaram absolutamente perdidos nos passes rápidos e cruzados de Big Ben, principalmente no quarto período. Além disso, perderam muitos tackles que não vinham perdendo anteriormente. Foram mal na campanha de Pittsburgh que poderia ter custado aos Cowboys a derrota.  REGULAR (8 regulares)

Secundária – Desfalcada de Morris Claiborne e Barry Church, dois dos principais destaques da equipe no ano, a secundária teria um difícil trabalho ao marcar o excelente ataque de Pittsburgh e não foi nada bem. Big Ben teve 408 jardas aéreas, com 37 de 46 passes completados e 4 touchdowns. Além disso, a secundária não conseguiu parar Antonio Brown e permitiu mais de 100 jardas a um recebedor pela primeira vez no ano. Byron Jones foi o melhor dos defensive backs na partida, com 12 tackles no total, mas mesmo assim, deixou de recuperar um fumble fácil que poderia ter ajudado muito a equipe. Brandon Carr fez um bom trabalho, mas não consegue parar um dos melhores wide receivers da NFL sozinho. No lugar de Scandrick, Leon McFadden ficou de marcar Antonio Brown e teve uma péssima partida. RUIM (6 ruins e 2 regulares)

Rod Marinelli, coordenador defensivo – Não conseguiu parar um ataque adversário pela primeira vez. Marinelli viu seu time sofrer com muitos recebedores, principalmente em passes rápidos pelo meio e em rotas cruzadas. A campanha final do Steelers com Big Ben fingindo que ia fazer um spike na bola e mandando-a na endzone para o touchdown é algo que não pode ocorrer em uma defesa de um time de 8 vitórias e uma derrota. Vai ter que ajustar a secundária com as ausências de Claiborne e Church e, principalmente, não colocar um cornerback reserva do reserva para marcar um dos melhores recebedores da liga. Em compensação, conseguiu importantes jogadas dentro da redzone que resultaram em apenas field goals. As impedidas das 4 tentativas de conversão de dois pontos do adversário ajudaram muito no resultado final. REGULAR (6 regulares e 2 ruins)

Jason Garrett, técnico –  Jason Garrett novamente foi bem, tomando decisões certas durante todo o jogo. Manteve a calma do time e controlou bem os jogadores nos momentos mais cruciais. Não desafiou jogadas polêmicas, mas que não dariam a bola aos Cowboys com toda a certeza e poderiam ter custado a perda de um tempo, essenciais nos momentos finais do jogo. Diferentemente dos Steelers, foi para as conversões de dois pontos apenas nos momentos necessários. Porém, terá que achar com Marinelli uma solução para os passes rápidos e no meio da defesa dos Cowboys. BOM (8 bons)

Special Teams – Dan Bailey foi extremamente crucial na partida, convertendo todos os seus extra points e field goals, incluindo alguns de muita distância. Chris Jones também foi bem nos punts e Lucky Whitehead, pela primeira vez no ano, fez um bom retorno que ajudou bastante o time em horas cruciais. BOM (3 ótimos e 5 bons)

Rafael Freitas

Rafael Freitas

Fã do Dallas Cowboys desde 1996, sonha em ver o time de volta ao Super Bowl. Mais novo integrante do Blue Star Brasil
Rafael Freitas