Tony Romo encerrou a novela que rodeava o futuro de sua carreira decidindo se aposentar do futebol americano. Apesar de suas últimas duas temporadas terem sido abreviadas por lesões, a carreira de Romo o coloca entre os melhores quarterbacks da história do Dallas Cowboys e um dos melhores undrafteds de todos os tempos.

Uma carreira impressionante

Romo se juntu ao Dallas Cowboys em 2003 e lançou seu primeiro passe na temporada regular de 2006. Desde então ele se tornou o recordista de todos os tempos do time em jardas aéreas (34.183) e passes para touchdown (248).

Seus 248 passes para touchdowns são o nono maior da história da NFL entre jogadores que passaram toda a sua carreira com um time.

Romo está classificado em terceiro entre os quarterbacks da história do Dallas Cowboys em vitórias com 78, atrás de apenas Troy Aikman (94) e Roger Staubach (85).

passer rating da carreira de Tony Romo é de 97,1, o quarto maior da história da NFL (mínimo de 1.000 tentativas de passe), atrás apenas de Aaron Rodgers (104,1), Russell Wilson (99,6) e Tom Brady (97,2). As primeiras escolhas dos Drafts de 1985 e 1998, respectivamente Steve Young e Peyton Manning, estão na quinta e sexta colocação, logo atrás de Romo.

De acordo com uma pesquisa do Elias Sports Bureau, entre os jogadores que não foram selecionados no draft desde 1970, Romo está classificado em 4º em jardas aéreas, 3º em passes para touchdown e 4º em jogos como titular.

Os números já citados de Romo, seus 248 passes para touchdown e 34.183 jardas aéreas, o colocam como 2º e 4º respectivamente entre jogadores que nunca jogaram uma final de conferência, de acordo com a mesma pesquisa.

O que poderia ter sido

Nas primeiras nove temporadas desde que se tornou o titular do Cowboys em 2006, Romo foi titular de 123 de 138 jogos possíveis. Nas últimas duas temporadas, Romo foi titular de apenas 4 de 33 jogos possíveis.

Na temporada de 2014, a última onde ele jogou a maioria dos jogos, Romo esteve entre os melhores passadores da liga. Ele liderou a NFL em QBR com 81,6 de um máximo de 100, que também é a maior de uma temporada em sua carreira (excluindo seus seis snaps em 2016).

Leia Também: Muito obrigado, Tony Romo.

Romo liderou a NFL em porcentagem de passes completos (69,9%), que também é o melhor em uma temporada na história do Dallas Cowboys. Ele liderou a NFL em passer rating (113,2) jardas por tentativa de passe (8,52) e foi o segundo em razão TD/INT (3,8) entre os quarterbacks qualificados daquela temporada.

Calma no momento decisivo

De 2006 até 2014, Romo teve 27 game winning drives, isto é, campanhas que deram a vitória ao time no último quarto e prorrogação. Esse é o maior número da NFL nesse período, um a mais que Peyton Manning e Matt Ryan.

De 2006 até 2015, Romo completou 65% de seus passes e teve uma média de 8,4 jardas por tentativa de passe no último quarto, maior entre os 36 quarterbacks com pelo menos 500 jogadas de ação no último quarto nesse período de tempo. Sua média de jardas por tentativa de passe no período final dos jogos (8,4) foi um terço de jarda acima que qualquer um da NFL nesse mesmo período. Cam Newton, o segundo colocado, teve uma média de 8,03.

75 dos 248 touchdowns da carreira de Romo vieram no último quarto. São três a mais que Roger Staubach e Troy Aikman tiveram combinados no último quarto.

Seu legado pode não ter feito o Troféu Lombardi voltar para Dallas, mas deu uma brilhante carreira para Tony Romo.

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.