OPINIÃO – A Derrota Necessária

OPINIÃO – A Derrota Necessária

283

(foto: dallascowboys.com)

Por: Rafael Yamamoto

Ao término do jogo, eu me peguei olhando no espelho por cinco minutos. Jogo que, aliás, começou muito antes das 22h30 de segunda-feira.

“Colt McCoy, buddy!”, o Rich falava pra mim. E eu, desdenhando do terceiro quarterback que os Redskins usariam na temporada, respondia: “He is very dangerous [Ele é muito perigoso]!”

Desdenho que, talvez, não só eu tive. Sim, subimos num salto alto de 15cm e caímos de boca aberta na dura realidade de um jogo da NFL. A derrota, em si, foi horrível. Mas poderia ter sido muito pior.

No 3o quarto, perdemos o Romo. Ele que, durante o jogo inteiro, não conseguia ler as blitz e reajustar sua proteção. All blitz. All blitz. All blitz. E era sack. Sack. Sack.

Culpa não só do Romo, mas também de Scott Linehan, o cara responsável por chamar as jogadas e conseguir, ao lado do Jason Garrett, fazer os ajustes necessários no ataque.  Todos nós já sabíamos a jogada que os Redskins chamariam na defesa. Era all blitz. Todos os jogadores possíveis iriam atrás do Romo e deixariam todos os recebedores mano-a-mano contra os defensive backs. Por que não um passe curto para o Dez? Será que a gente tem screen-passes no nosso playbook? Não sei.

Mas, sim, a derrota foi horrível. Scott Linehan foi terrível. A defesa – uff – parecia a do ano passado. Colt McCoy completou mais de – espere! –80% de seus passes.

Mas calma, leitor. Não vamos ser atingidos por uma mídia que adora jogar os Cowboys do céu ao inferno toda semana. Sim, perdemos. Sim, foi feio. Sim, deveríamos ter ganho. Porém, o Romo, diferentemente do Justin Durant, não esta fora da temporada e, mais importante, nós caímos na realidade: na NFL, não importa o recorde do outro time, você sempre tem que jogar como se fosse o seu ultimo jogo. Ainda mais quando é um jogo de divisão. “Clássico é clássico e vice versa”.

Perdemos uma chance, sim, de nos colocarmos na frente na NFC East. Mas, por favor, não sejamos imprudentes em crucificar o time por uma noite pífia. Até mesmo o perfeito New England Patriots de 2007-08 teve uma dessas noites.

Além do mais, numa semana curta, teremos que nos preparar para jogar contra, possivelmente, o melhor time da NFC, os Cardinals. E, com toda convicção do mundo, não debocharei do quarterback adversário e não acharei que os Cowboys entrarão com a vitória na mão. E eu tenho certeza que os Cowboys de Jason Garrett também não.

Que semana que vem nos encontremos nos nossos banheiros olhando para nós mesmos com um sorriso no rosto e com a certeza de que essa derrota contra os Redskins foi necessária para acordar um time que estava vivendo em êxtase. Porque, como diria Billl Belichick, “nós já estamos pensando nos Cardinals”.

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.