Opinião – A Sensação Pós-Derrota

Opinião – A Sensação Pós-Derrota

739
Foto: DallasCowboys.com

Eu estava no meu quarto quando ele fez a recepção. Corri pra cima e pra baixo no corredor gritando e acordando todo mundo. Seria a nossa vitória. Não foi. Foi um dedo que tocou fora do campo. Isso foi em 2012, contra os Giants. Embora três anos depois, a sensação foi a mesma. “My heart just dropped”, disse Dez após descobrir que a recepção foi incompleta. (Traduzindo essa expressão americana para o português ficaria — mais ou menos — “Eu perdi meu chão”).

Ontem, dia 11 de janeiro de 2015, eu perdi meu chão de novo. Perdi meu chão ao ouvir que não foi uma recepção. Perdi meu chão ao ouvir os gritos de alegria de todos os torcedores do Green Bay Packers ao meu redor. Eu estava num pub irlandês por todo o jogo. Depois de ouvir que não foi recepção, eu não sei onde eu estava mais. Eu estava perdido. Desconformado. Mas, acima de tudo, ainda confiante numa vitória. Aliás, o jogo estava apenas 26 a 21 para os Packs. Ainda existia uma chance. Ainda existia esperança.

Engana-se aquele que acha que irei crucificar a temporada e, principalmente, o jogo por causa de uma chamada – ou regra – idiota. Não perdemos só por causa dessa chamada. Sterling Moore teve o pior jogo da temporada. Nós duvidamos que Davante Adams pudesse ganhar da gente, já que tiramos Jordy Nelson totalmente fora do jogo. James Hannah não conseguiu recuperar o fumble do Randall Cobb no kick off. Eu posso sentar aqui e fazer um artigo gigantesco só com o que poderia ter acontecido diferente. Não farei. Não farei porque não podemos voltar no tempo.

Falando em tempo, quem não se lembra das nossas expectativas para essa temporada em maio? Quem não se lembra das previsões de “6-10 com muita sorte”? Sim, leitor, nossa temporada foi um espetáculo. Nossa temporada foi inesquecível. Nós calamos a boca de todos. E mesmo com essa derrota, saímos com a cabeça erguida. Lutamos de frente com um time muito bom e num ambiente muito hostil. Fomos homens para aceitarmos nossas deficiências. Fomos inteligentes para trabalharmos onde éramos bons. Nós somos bons. Bons pra caralho.

Do jogo contra os 49ers até o jogo contra os Packers, eu não poderia ficar mais orgulhoso de ser um torcedor do Dallas Cowboys. Como eu adoro sofrer por esse time. Nunca existe um jogo fácil. Nunca existe uma temporada em que não somos contestados. Nunca. Nós somos o Dallas Cowboys. Estaremos juntos sempre lutando, discutindo e argumentando sobre esse time. A temporada acabou, sim, mas sempre existe a próxima.

É verdade que temos muitos jogadores para reassinar e muito ainda para melhorar. Mas o futuro parece promissor. Com mais um bom draft, os Cowboys estariam em posição para ir de novo aos playoffs e, mais um vez, ir longe.

Por ora, precisamos renovar com o coaching staff – Jason Garrett, Rod Marinelli e Scott Linehan. Precisamos manter o núcleo da equipe para o trabalho ter uma continuação. Será uma tarefa difícil já que Lovie Smith, head coach dos Bucs, é o melhor amigo de Marinelli e precisa de ajuda em Tampa; os Raiders já se mostraram interessados na mente de Scott Linehan, assim como o Atlanta Falcons quer Jason Garrett.

Ainda há muita incerteza no ar, não há dúvida. Mas uma coisa é certa: eu não poderia estar mais orgulhoso de torcer para os Cowboys.

Rafa Yamamoto

Rafa Yamamoto

Dono do posto de editor mais bonito do Blue Star Brasil, Rafa Yamamoto é redator e apresenta o Podcast.
Rafa Yamamoto