A decisão sobre o futuro de Tony Romo é, talvez, o assunto mais discutido da NFL nesses dias que precedem o começo da free agency. Vários e vários times já foram especulados como o possível destino do jogador, e até um futuro como DJ. Por conta do seu salário alto e da sua situação como reserva, já parece certo que o jogador não ficará em Dallas.

Mas será que o time precisa realmente se desfazer do jogador?

O primeiro motivo para tirar o jogador do Dallas Cowboys é o cap hit do seu salário. De acordo com o site Spotrac, o salário de Tony Romo terá um impacto de 24,7 milhões de dólares, o maior entre os jogadores do time disparado. Mas isso não necessariamente se desfaz se livrando do jogador.

Se o Cowboys trocar ou cortar Romo, o time vai economizar apenas cinco milhões de dólares no salary cap, enquanto os outros US$20 milhões ficariam de dinheiro morto. Ou seja: por maior que seja seu salário, o time terá tanto para economizar se livrando dele. Isso se dá porque Jerry Jones reestruturou por diversas vezes o seu contrato, chegando em uma situação que temos hoje.

Também de acordo com o Spotrac, o Dallas Cowboys está por volta de US$2 milhões abaixo do máximo permitido pela NFL. O time ainda precisa abrir espaço suficiente para contratar os jogadores que virão pelo draft e também os que renovarão contrato, além dos que também podem vir de outros times. Os cinco milhões economizados pela dispensa do Romo resolveria isso? Talvez.

Cortar Tony Romo implica em trazer mais uma necessidade para o time: a de quarterback reserva. Para que a troca/o corte seja favorável, o time precisa suprir bem essa necessidade e usar o resto do dinheiro economizado de forma inteligente, ou se não é melhor manter o camisa 9. Falamos sobre possíveis candidatos a reserva de Prescott aqui.

Com Tyrone Crawford e Dez Bryant recebendo mais de 10 milhões nessa temporada, uma reestruturação de seus contratos ajudaria ainda mais a situação do teto salarial. E melhor: sem criar novas necessidades ao time. Essas reestruturaçoes resolveriam praticamente todos os problemas salariais do time de 2017, indepentende da situação de Romo. A condição contratual de Tony Romo hoje não o coloca como principal movimentação para melhorar o teto salarial do time.

Se Tony Romo vai sair? Provavelmente sim. Por mais que não seja realmente necessário, o time tem um carinho enorme pelo jogador e deve fazer a vontade dele, que é jogar por um time onde ele seja o titular.

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.