OPINIÃO | Sem mudar a polêmica regra, NFL mantém sua posição de...

OPINIÃO | Sem mudar a polêmica regra, NFL mantém sua posição de priorizar o medíocre

1314
Foto: Matt Ludtke / AP Photo

11 de janeiro de 2015. Cowboys na linha de 32 jardas do campo de ataque encarando uma quarta descida para duas jardas. Tony Romo recebe o snap e lança para Dez Bryant, que faz a recepção e cai na linha de duas jardas. Após o desafio do técnico do Green Bay Packers, porém, a recepção foi dada como incompleta após o árbitro considerar que Dez Bryant não completou o processo de recepção.

De fato, a regra inclui no processo de recepção que o recebedor tenha que ficar com a bola o tempo suficiente para realizar um ato comum ao jogo (lançar, correr ou avançar com a bola). É o famoso football move. Pela regra, os árbitros acertaram na decisão e a jogada realmente não foi uma recepção. Mas quais consequências essa regra pode gerar?

Antes de mais nada, gostaria que você revesse esse lance clicando aqui. Dez Bryant segura a bola e após colocar os dois pés no chão ele tem duas opções a escolher em uma questão de milésimos de segundo. Suas opções eram: (1) colocar a bola junto ao corpo e cair do jeito que for possível, mas garantindo a recepção ou (2) fazer a recepção e tentar avançar o máximo possível, anotando o touchdown se puder.

99% dos wide receivers da NFL optariam a opção 1: agarrariam a bola, cairiam de costas para o gramado e não avançariam mais jardas. Isso se possível, já que a recepção naquelas circunstâncias passava longe de ser uma das mais fáceis. No lance, Dez Bryant pulou para fazer a recepção na linha de 10 jardas e caiu apenas na linha de 5, algo que poucos wide receivers da liga teriam feito.

Mas Dez Bryant não faz parte desses 99%. Ao contrário do wide receiver comum, Dez Bryant não olha para o chão para manter a recepção. Dez Bryant olha para frente, para a endzone.

Não por acaso, ao virar de frente para o gramado, Dez troca a bola para a mão esquerda: ele faz isso para colocar o braço direito no chão e usá-lo como impulso para tentar chegar o mais perto possível da endzone, como ele já havia feito neste lance durante a temporada.

E aí que está o problema da NFL.

Ao não alterar a regra sobre a recepção, a liga manda indiretamente uma mensagem à Dez: “haja como os outros wide receivers“. E é exatamente isso que acontece.

Ao manter a regra, a NFL força o Dez Bryant a agir como um WR comum, limitando sua capacidade de tentar e de conseguir grandes jogadas. Em 2010, a liga agiu da mesma forma com Calvin Johnson ao anular seu touchdown da vitória a poucos segundos do fim da partida..

Dizer não às suas jogadas sobrenaturais é penalizá-los por serem fora de série.

É desmotivá-los a tentarem uma jogada que nenhum outro jogador seria capaz de fazer.

É mandar o líder de recepções para touchdown em 2015 e o líder de jardas recebidas da história da NFL em uma única temporada a não serem tão bons assim.

É dizer aos mais jovens que assistem a liga : “sejam bons o suficiente para jogarem em nossa liga, mas não tão bom pois nossas regras não permitem isso”.

Não, NFL. Dez Bryant e Calvin Johnson não são wide receivers medíocres (no sentido de ser comum). Dez e Megatron são protagonistas dos melhores momentos que são responsáveis pelo grande sucesso que é a NFL. E ao forçá-los a jogarem como medíocres, infelizmente, a liga mostra que ainda prefere se manter apenas no medíocre.


 

Obs. 1: Não, o Dallas Cowboys não foi ‘roubado’ ou ‘perdeu apenas por causa desse lance’. Inclusive, dissemos isso após o jogo e também em nosso podcast

Obs. 2: Não sou o dono da verdade e posso ter me enganado completamente ao expressar minha opinião. Portanto, ficaria muito feliz se você discordasse (de forma construtiva) de mim nos comentários abaixo.

 

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.