Ano vai, ano vem e em todas as offseasons se discute quem foi o melhor quarterback da história da NFL. Comparações e eternas discussões são feitas ao redor dos jogadores que marcaram época — principalmente as mais recentes, em que a liga alterou suas regras para favorecer o jogo aéreo. Nomes como Joe Montana, Dan Marino, Peyton Manning e Tom Brady estão sempre os citados.

Tratando-se apenas dos jogadores do Dallas Cowboys, nunca houve uma grande discordância sobre isso. O ponto central da discussão fica em torno de dois jogadores: Roger Staubach e Troy Aikman, ambos no Hall da Fama da NFL e no Ring of Honor do time. Mas pra ampliar nossa discussão, por que não incluir todos os outros franchises quarterbacks da história do time?

Vamos analisar nesse post a qualidade individual de cada um dos jogadores. Ou seja, nada de número de vitórias, sucesso em playoffs e números de Super Bowls disputados ou vencidos. Queremos analisar os números que dependem exclusivamente do QB, como jardas lançadas, porcentagem de passes completos e outros mais.

“Mas como você vai fazer isso com quarterbacks de diferentes eras? Os que jogaram nas últimas décadas obviamente terão números melhores que os outros!”

Essa é uma crítica ótima e muito válida. É injusto você comparar com números simples um quarterback que joga hoje com os que jogaram na década de 60 e 70, onde as regras da NFL não incentivavam o passe e muito menos protegiam o QB tanto quanto os dias de hoje. É por isso que nossa análise será um pouco diferente.

Aqui não interessa o tempo que ele jogou. A comparação não será feita somente entre jogadores. A intenção aqui é ver qual quarterback esteve mais à frente do seu tempo. Isto é: o quanto seus números foram melhores que a média da liga durante sua carreira profissional. Dessa forma, não interessa se o quarterback A lançou mais jardas que o B, e sim o quanto A esteve melhor que a média da sua época comparado com o quanto B esteve melhor que a média do seu tempo. Deu para entender?

Os jogadores escolhidos foram Tony Romo, Troy Aikman, Danny White, Roger Staubach e Don Meredith, todos os legítimos franchise quarterbacks da história do Dallas Cowboys até o momento. Não foram consideradas as temporadas em que o jogador não participou de pelo menos metade dos jogos da temporada regular. E se você ainda não percebeu, a ideia do post veio desse ótimo texto da Liga dos 32.

Começaremos analisando um por um até que, no fim, juntaremos todos para uma comparação melhor.

 


 

Don Meredith (1960 – 1968)

Se você não o conhece, fique tranquilo. Meredith foi o primeiro grande quarterback da história do Dallas Cowboys. Jogando na época pré fusão entre a antiga NFL e AFL, Meredith comandou o primeiro grande esquadrão de Dallas. Como ele foi reserva nos anos de 1960 e 1961, nós descartamos essas duas temporadas na nossa análise. Confira seus números:

 

Ignorando os números brutos, que são inferiores a qualquer quarterback mediano dos tempos de hoje, podemos ver pontos interessantes. O primeiro é em relação aos seus passes completos. Como eles, em sua maioria, foram abaixo da média da NFL, naturalmente seu número de jardas por ano também foram menores que a média. Afinal, quanto menos se acerta passe, menos se ganha jardas.

Mas não pensem que ele era um passador ruim. Apesar de arriscar menos que a média, Meredith era muito mais efetivo. Sua média de jardas por tentativa de passe* foi acima da média em seis de sete temporadas como titular, isto é, ele ajudava o time a avançar de forma muito melhor que o resto dos quarterbacks. O reflexo disso está em seu passer rating, abaixo da média da liga em apenas um dos sete anos que ele esteve como titular.

*Pela falta de número de sacks nessa época, não foi possível determinar o número de jardas por passe ajustadas, isto é, desconsiderando as jardas perdidas por sack.

 


 

Roger Staubach (1969 – 1979)

Staubach foi simplesmente um dos quarterbacks mais marcantes da história do Dallas Cowboys. Ele foi um dos responsáveis por fazer a equipe virar o Time da América, que o rendeu apelidos como Capitão América e Captain Comeback, por suas inúmeras viradas de jogo no último quarto. Leia mais sobre o jogador clicando aqui.

Pela fama, você já deve ter uma noção dos seus números. Mas veja abaixo como eles se comparam com a média da NFL em sua época. Desconsideramos os anos de 1969 e 1970, onde Staubach era reserva, e o ano de 1972, onde ele perdeu quase toda a temporada por uma lesão.

 

Como você pode ver, os números indicam ainda mais o quanto Staubach foi dominante em seu período na NFL. Em todas as estatísticas individuais ele esteve acima da média da NFL por praticamente toda a sua carreira. A única estatística que ele esteve abaixo da média é justamente a que estar abaixo é um bom sinal: o número de interceptações lançadas.

De todos as estatísticas, nenhuma surpreende mais que o passer rating. Em nenhum momento da carreira o Capitão América teve um rating com uma diferença de menor que 7 pontos para o rating médio da NFL. Não foi por acaso que ele se aposentou com o segundo melhor rating da história no momento.

 


 

Danny White (1980 – 1988)

Sucessor de Roger Staubach, White foi um jogador longe de ser uma unanimidade entre torcedores. Começando sua carreira em Dallas como punter (sim, isso mesmo), White se tornou titular após a aposentadoria de Staubach e conduziu o time para três finais de conferência na década de 80.

Foram desconsiderados os anos de 1984, 1986 e 1988 para a análise individual, por conta de lesões e pelo fato dele ter se tornado reserva ao fim de sua carreira.

 

Como você pode ver, White esteve bem parecido com a média da NFL em termos de jardas e passes para touchdown, assim como também o número de interceptações. Não se surpreenda com a queda no ano de 1982: houve uma greve na NFL nesse ano, que fez com que a temporada regular tivesse apenas nove jogos. Obviamente, os números acabaram diminuindo.

Onde Danny White pode se destacar é justamente no rating. Em todos os anos analisados, White teve um passer rating acima da média da NFL, mesmo tendo uma queda de rendimento notável nos anos finais de sua carreira. Seu número de jardas por tentativa também esteve muito acima da média por um bom período de tempo.

 


 

Troy Aikman (1989 – 2000)

Esse é um dos jogadores que dispensam comentários. Aikman liderou uma das maiores dinastias de toda a NFL, ajudando o Dallas Cowboys a conquistar três Super Bowls em um período de quatro anos. Sua sintonia com Michael Irvin e com Emmitt Smith rendeu o apelido de “Triplets”, que acabou sendo a cara do Time da América na década de 90.

 

Ao contrário do que muitos podem imaginar, Aikman não era um jogador que acumulava números incríveis tratando-se de jardas e touchdowns. E isso tem um motivo: Emmitt Smith. Com um ótimo jogo terrestre por toda sua carreira, Aikman não precisava lançar 50 passes ou cinco touchdowns todas as partidas. Esse fator pode ter diminuído seu número médio de jardas e passes para touchdowns, mas também reduziu e muito seu número de interceptações lançadas. Somente nos dois primeiros anos de sua carreira que ele lançou mais INTs que a média da NFL no período.

E se o número relativamente baixo de jardas e TDs pode te fazer duvidar da capacidade do jogador, todos os outros te convencem o contrário. Sua porcentagem de passes completos, jardas por tentativa de passe e, por fim, o passer rating, mostram o quanto ele foi superior a média dos quarterbacks que jogaram em sua época.

 


 

Tony Romo (2006 – ????)

Depois da aposentadoria de Troy Aikman, o Dallas Cowboys passou bons anos buscando um sucessor até achar Tony Romo. De um jogador de uma universidade inexpressiva, Romo passou de um jogador não draftado para ser o detentor de todos os recordes individuais possíveis da história do Dallas Cowboys. Romo também é dono do terceiro maior passer rating da história da NFL considerando sua carreira.

Para seus números individuais, desconsideramos as temporadas de 2010, 2015 e 2016, no qual Romo perdeu mais da metade da temporada por lesões e, na última temporada, por também ter se tornado reserva.

 

Durante toda sua carreira, Tony Romo foi duramente criticado como sendo o responsável do time pelos constantes fracassos ao longo do ano. Os números mostrados acima, no entanto, provam o contrário. Jogando na época que mais favoreceu o jogo aéreo de toda a história da NFL, Romo conseguiu se sobressair ao longo de quase toda sua carreira em praticamente todas as estatísticas individuais que interessam.

Nos números de jardas lançadas, por duas vezes Romo acabou ficando abaixo da média. Em 2006, Tony Romo foi virar titular somente no meio da temporada, o que explica os números abaixo da média para jardas e passes para touchdowns também. Já em 2014, Romo contou com a ajuda de DeMarco Murray, que teve uma das melhores temporadas por um running back da história do Dallas Cowboys, o que o forçou a lançar menos. A prova de que o jogador não perdeu qualidade está no aproveitamento de passes: em 2014, ele foi o melhor de sua carreira.

 


 

Saldo Final

Ok, chega de enrolação. Afinal, partindo da ideia de quem esteve mais à frente do seu tempo, qual foi o melhor quarterback da história do Dallas Cowboys?

Para responder essa pergunta, fizemos um gráfico para ajudar a conclusão. O que você vê nele é o quanto cada um dos jogadores esteve melhor que a média da NFL durante o período em que ele jogou. Exemplo: Os 15% de Don Meredith em passes para touchdown indica que, ao longo de sua carreira, ele lançou 15% a mais de TDs que a média dos QBs da NFL nesse mesmo período. Acho que deu para entender, não é?

Lembrando que o número positivo de interceptações significa quantos por cento o jogador lançou a menos que a média da NFL, e não a mais. Isso se dá porque a interceptação é o único fator negativo analisado.

 

A partir daqui podemos tirar muitas e muitas conclusões. A primeira delas é que Don Meredith e Troy Aikman não estiveram acima da média da NFL em todos os números individuais de suas carreiras. Ambos estiveram abaixo em número de jardas lançadas e passes para touchdown por temporada, enquanto Meredith também esteve ligeiramente abaixo na porcentagem de passes completos.

Entre os quarterbacks que estiveram melhores que a média em todos os fatores, Roger Staubach é o jogador que mais se destacou. Isto é, ele foi o jogador que mais esteve acima da média considerando todas as categorias.

Mas isso o torna o melhor quarterback da história do Dallas Cowboys?

Antes de você responder essa pergunta, dê uma olhada no gráfico abaixo.

 

Esse gráfico é exatamente igual ao último em termos de números. A única diferença está na organização dele: enquanto o primeiro separamos as estatísticas individuais por quarterback, esse último separa os quarterbacks pelas estatísticas individuais. Essa organização facilita a comparação de quem esteve mais à frente de seu tempo em cada estatística individual.

A tabela abaixo facilita ainda mais, colocando a “classificação” de cada um dos quarterbacks para cada estatística individual.

 Estatística Don Meredith Roger Staubach Danny White Troy Aikman Tony Romo
% Passes Completos
Jardas
Touchdowns
Interceptações
Jardas por Passe
Passer Rating

 

A partir daqui, deixamos a conclusão para vocês. Sim, não vamos nos precipitar em apontar A ou B como melhor ou pior da história do time e existe um motivo para isso. Nosso critério pode não ser o mesmo que você considera o necessário para indicar o melhor quarterback. Nós não consideramos números coletivos, como vitórias e títulos, e você talvez considere no momento de tomar sua decisão. E você não está errado por isso, de forma alguma.

O post serve para te ajudar a formar a sua opinião sobre o assunto e, principalmente, ajudar em debates que costumam rodar pela internet. Afinal, uma troca de ideias saudável com argumentos bem estruturados são sempre ótimas e bem-vindas.

Pra você, quem foi o melhor quarterback da história do Dallas Cowboys? Por que? Comente!

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.