RECAP | Análise 2014 – Cornerbacks

RECAP | Análise 2014 – Cornerbacks

732
Foto: James D. Smith / AP Photo

Depois de analisar a linha defensiva e os linebackers, chegou a vez de começar a falar dos defensive backs. Entre eles, começaremos pelos cornerbacks.

Com cinco CBs no roster sendo utilizados de maneira mais ativa, o Dallas Cowboys teve surpresas com jogadores pouco acreditados e decepções com jogadores em que se confiavam. Brandon Carr, um dos mais bem pagos da liga na posição, e Morris Claiborne, uma das maiores “revelações” do college na posição nos últimos anos, tiveram uma temporada bem abaixo do esperado, enquanto Sterling Moore, não draftado em 2011, e Tyler Patmon, não escolhido no draft de 2014, surpreenderam e tiveram uma temporada acima das expectativas.

De qualquer forma, as análises vem a seguir:

 

Orlando Scandrick

Foto: ICON SMI
  • Números:
    • Pass Rushing:
      • 37 Pass rush snaps
      • 1 Sack (2,85% por snap)
      • 1 Hit (2,85% por snap)
      • Hurry (2,85% por snap)
    • Jogo Terrestre:
      • 400 Run snaps
      • tackles (1,93% por snap)
      • assists (0,82% por snap)
      • tackles errados (0,82% por snap)
      • stops (0,55% por snap)
      • 4,3 tackles tentados por tackle errado
    • Jogo Aéreo:
      • 590 snaps
      • 85 passes em sua direção
      • 64 recepções (76,19%)
      • 655 jardas (10,2 jardas por recepção)
      • 5 Passes desviados
      • Touchdowns
      • 2 Interceptações
      • 87,1 NFL QB Rating em sua direção
      • 6,4 tackles tentados por tackle errado
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 3.513.014,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2017
  • Pontos Positivos: Orlando Scandrick foi pela segunda temporada seguida o melhor Cornerback do Cowboys. Por boa parte de sua carreira, Scandrick foi apenas um cornerback de nickel, marcando os recebedores que se alinhavam no slot. Porém, nos últimos dois anos, o camisa 32 se tornou o principal CB de Dallas, e em diversas partidas marcou o principal recebedor adversário. Scandrick não cedeu nenhum touchdown em bolas lançadas na sua direção e conseguiu 2 interceptações em 2014.
  • Pontos Negativos: Durante a offseason, Scandrick foi pego no exame anti-doping por uso de substâncias ilegais, e foi suspenso pela NFL, perdendo os dois primeiros jogos da temporada. O baixo número de interceptações, apenas 2, também é um ponto negativo da boa temporada de Scandrick.
  • Fica para a próxima temporada? Sim. Scandrick tem um contrato longo para cumprir e não deverá sair do time antes de seu fim.

 

 

Brandon Carr

Foto: imgkid.com
  • Números:
    • Pass Rushing:
      • 3 Pass rush snaps
      • 1 Sack (33,33% por snap)
      • Hit (33,33% por snap)
      • Hurries 
    • Jogo Terrestre:
      • 462 Run snaps
      • 16 tackles (3,46% por snap)
      • assists (0,65% por snap)
      • 5 tackles errados (1,08% por snap)
      • stops (1,52% por snap)
      • 4,8 tackles tentados por tackle errado
    • Jogo Aéreo:
      • 705 snaps
      • 100 passes em sua direção
      • 60 recepções (60,00%)
      • 1.007 jardas (16,8 jardas por recepção)
      • 7 Passes desviados
      • Touchdowns
      • 0 Interceptações
      • 114,0 NFL QB Rating em sua direção
      • 5,4 tackles tentados por tackle errado
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 12.217.000,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2017
  • Pontos Positivos: Apesar de um começo ruim de temporada, Carr foi muito bem nas últimas partidas disputadas pelo Cowboys. Carr teve boas atuações marcando Reggie Wayne, Pierre Garçon, Calvin Johnson e Jordy Nelson para fechar a temporada, e não cedeu nenhum touchdown nas últimas 5 partidas do ano, incluindo os playoffs. 
  • Pontos Negativos: Carr é o 5° defensive back mais bem pago da NFL, e sua atuação dentro de campo não condiz com seu salário. Carr cedeu 6 touchdowns em bolas lançadas em sua direção e não conseguiu interceptar nenhum passe em 18 jogos disputados. Jogando em Nova York, Carr será para sempre lembrado como o cornerback que levou o touchdown histórico de Odell Beckham Jr., partida que o Cowboys acabou vitorioso.
  • Fica para a próxima temporada? Provavelmente. Para permanecer em Dallas, Carr terá de aceitar uma redução salarial. Porém, é bem provável que ele aceite a nova oferta do Cowboys, pois mesmo que ocorra uma redução pela metade em seu salário, ainda seria mais do que ele provavelmente receberia caso virasse um free agent. Caso não aceite a redução salarial, Carr deve ser cortado.

 

 

Morris Claiborne

Foto: Matthew Emmons / USA TODAY Sports
  • Números:
    • Pass Rushing:
      • 1 Pass rush snaps
      • 0 Sack
      • Hit 
      • Hurries
    • Jogo Terrestre:
      • 49 Run snaps
      • tackles 
      • assists 
      • tackle errado
      • stops
    • Jogo Aéreo:
      • 101 snaps
      • 15 passes em sua direção
      • 10 recepções (66,67%)
      • 225 jardas (22,5 jardas por recepção)
      • 0 Passes desviados
      • Touchdowns
      • 1 Interceptação
      • 121,05 NFL QB Rating em sua direção
      • tackles tentados por tackle errado
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 4.435.773,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2015
  • Pontos Positivos: Durante o Training Camp, muitos jornalistas elogiaram a participação de Claiborne nos treinos, e disseram que ele estava na melhor forma de sua carreira. Porém, algumas lesões antes da temporada atrapalharam Claiborne, que teve apenas um bom momento na temporada, uma interceptação que decretou a vitória do Cowboys na partida contra o Rams.
  • Pontos Negativos: Três anos se passaram após Claiborne ser selecionado com a 6ª escolha do draft, e ele ainda não conseguiu chegar perto das expectativas que se tinham para sua carreira profissional, quando ainda jogava na universidade de Louisiana State. Claibrone jogou apenas 4 jogos em 2014 e mesmo assim cedeu 3 touchdowns e foi queimado diversas vezes, principalmente na partida da semana 3, contra Saint Louis.
  • Fica para a próxima temporada? Sim. Mesmo tendo uma temporada muito ruim, Claiborne ainda tem um contrato a cumprir e por conta disso deve permanecer em Dallas. Agora, para 2016…

 

 

Sterling Moore

Foto: G.J. McCarthy / The Dallas Morning News
  • Números:
    • Pass Rushing:
      • 13 Pass rush snaps
      • 0 Sacks
      • Hits 
      • Hurries (7,69% por snap)
    • Jogo Terrestre:
      • 281 Run snaps
      • tackles (2,13% por snap)
      • assists (0,35% por snap)
      • tackle errado (1,62% por snap)
      • stops (1,06% por snap)
      • 10 tackles tentados por tackle errado
    • Jogo Aéreo:
      • 572 snaps
      • 82 passes em sua direção
      • 51 recepções (62,2%)
      • 671 jardas (13,2 jardas por recepção)
      • 8 Passes desviados
      • Touchdowns
      • 0 Interceptação
      • 92,1 NFL QB Rating em sua direção
      • 7,8 tackles tentados por tackle errado
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 645.000,00
  • Situação Contratual: Restricted Free Agent em 2015
  • Pontos Positivos: Pouco se esperava de Moore em 2014, que era apenas o 4° cornerback do Cowboys no início da temporada. Porém, ele teve uma boa atuação e foi o segundo melhor CB da equipe no ano. Após a lesão de Claiborne, Moore se estabeleceu como o terceiro cornerback do time, e entrava em campo quando a defesa estava na formação nickel. Moore não cedeu nenhum touchdown em bolas lançadas em sua direção e desviou 8 passes em 2014.
  • Pontos Negativos: Assim como Carr, Moore não conseguiu interceptar nenhum passe na temporada. Ele ainda teve sua pior atuação do ano no jogo mais importante da temporada, contra o Packers no Divisional Round, onde foi queimado diversas vezes por Davante Adams, terceiro Wide Receiver da equipe de Green Bay.
  • Fica para a próxima temporada? Provavelmente. Moore é um agente livre restrito, e deve renovar com o Cowboys por um ano no valor de 1.5M, pelas regras do Restricted Free Agency. A única possibilidade de Moore não jogar em Dallas em 2015, é se ele receber uma oferta de outra equipe que o Cowboys não tenha a intenção de igualar, o que é improvável.

 

 

Tyler Patmon

Foto: Brandon Wade / AP Photo
  • Números:
    • Pass Rushing:
      • 2 Pass rush snaps
      • 0 Sacks
      • Hit
      • Hurry (50% por snap)
    • Jogo Terrestre:
      • 15 Run snaps
      • tackles 
      • assists
      • tackles errados
      • stops
      • tackles tentados por tackle errado
    • Jogo Aéreo:
      • 100 snaps
      • 16 passes em sua direção
      • 13 recepções (81,3%)
      • 122 jardas (9,4 jardas por recepção)
      • 0 Passes desviados
      • Touchdowns cedidos
      • 1 Interceptação
      • 72,4 NFL QB Rating em sua direção
      • 3,5 tackles tentados por tackle errado
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 420.000,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2016
  • Pontos Positivos: Após não ser escolhido no draft de 2014, Patmon não recebeu nenhuma oferta de contrato dos 32 times da NFL. No começo do mês de maio, Patmon foi convidado para participar dos treinamentos para calouros, como um teste,  impressionou os técnicos e acabou recebendo um contrato para participar do Training Camp. Após boas atuações na pré-temporada, incluindo um jogo com duas interceptações (uma retornada para touchdown) contra o Dolphins, Patmon conseguiu uma vaga entre os 53 do elenco principal e chegou a participar de 10 jogos na temporada regular e playoffs. O momento mais marcante da temporada de Patmon foi a interceptação que conseguiu na partida contra o Arizona Cardinals, a qual ele retornou 58 jardas para um touchdown. 
  • Pontos Negativos: São poucos os jogadores que após não ser draftados e não receber nenhuma oferta de contrato pós-draft conseguem uma vaga no elenco e participam de 10 jogos de um time na temporada. Patmon ainda é um jogador em evolução e tem muito o que aprender, principalmente na sua habilidade de fazer tackles.
  • Fica para a próxima temporada? Sim. Com contrato renovado, dessa vez até 2016, Patmon permanece em Dallas.

 

 

O que esperar da posição para 2015?

Dúvida e, talvez, decepção. Brandon Carr, mesmo tendo terminado bem a temporada, ainda não é um cornerback que o Dallas Cowboys precisa – e confia. Junto a ele, o camisa 24, Morris Claiborne, passa a ser cada vez menos uma incógnita, e mais uma certeza: bust. Com três temporadas na liga e três temporadas abaixo do que se esperava do jogador, Claiborne ainda se recupera de uma lesão no joelho e com isso pode perder parte da pré-temporada, dificultando ainda mais as chances de Mo ter uma boa temporada.

A decepção vem por conta de que o Cowboys talvez não vá atras de um cornerback no draft ou na free agency. Caso Carr aceite o paycut e Moore renove, o que é provável, o Dallas Cowboys vai manter os cinco CBs no roster e com isso não terá espaço para trazer outro jogador da posição. A exceção, no entanto, pode vir em um novo Tyler Patmon, ou seja, um jogador não draftado que se destaque na pré-temporada.

 

Notas da Equipe

Nome Orlando Scandrick Brandon Carr Morris Claiborne Sterling Moore Tyler Patmon Geral
Gabriel Plat 7,5 6,0 3,0 5,5 5,5 6,5
João Lucas Rodrigues 8,0 6,0 4,0 7,5 7,0 7,0
Leonardo Sangiorge 8,0 5,5 3,0 7,0 6,5 6,5
Luiz Gustavo Ferreira 8,0 6,0 4,0 7,0 6,5 6,0
Rafael Yamamoto 8,0 5,7 1,0 7,0 6,0 6,0
Média 7,9 8,0 3,0 6,8 6,3 6,4

 

 

Conclusão

A posição de cornerback, bastante contestada, continuou e muito possivelmente continuará sendo. Começando a temporada com atos de indisciplina, Claiborne viu as chances de não permanecer em Dallas aumentarem após a temporada destrasosa, coroada com uma lesão no joelho que o tirou dos gramados em 2014.

Brandon Carr, um dos CBs mais bem pagos da liga, passou longe de ser um dos melhores da posição, não sendo inclusive o melhor do Cowboys – espaço ocupado por Orlando Scandrick. Assim como Claiborne, Carr deve permanecer em Dallas, pelo menos até 2015.

O que resta é acreditar. Acreditar que Carr seja o CB que foi nas últimas partidas da temporada. Acreditar que Claiborne possa ser ao menos um jogador útil. Acreditar que Moore teve apenas um dia ruim contra o Packers. E, por fim, acreditar que Scandrick mantenha o bom nível e que Patmon evolua ainda mais.


Quer ver as análises de todas as posições? Então clique aqui!

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.