RECAP | Análise 2014 – Offensive Line

RECAP | Análise 2014 – Offensive Line

858
Foto: DallasCowboys.com

Depois de análises de todas as posições do ataque, faltou falar dos carregadores de piano. Sim, estamos falando da linha ofensiva. Com um trabalho imenso e fundamental, a OL não é tão valorizada quanto deve.

No Dallas Cowboys, isso não parece acontecer. Tendo ganho prêmios como computadores e tênis de jogadores como DeMarco Murray e Dez Bryant, respectivamente, a linha ofensiva do Dallas Cowboys se tornou o ponto chave do ataque, sendo um dos principais fatores para a grande temporada dos “triplets” Romo, Dez e Murray.

Quer saber como cada um foi individualmente? Então vamos para as análises

 

Tyron Smith

Foto: Tom Fox / Staff Photographer
  • Números:
    • 518 Pass block snaps
    • sacks cedidos (0,38%)
    • hits cedidos (1,54%)
    • 13 hurries cedidos (2,51%)
    • 96,8 PFF Pass Block Efficiency Rating
  • Premiação Individual
    • Pro Bowl
    • First-Team All Pro
    • NFC Offensive Player of the Week (Week 6)
  • Salário em 2014: US$ 4.976.031,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2023
  • Pontos Positivos: Pelo segundo ano consecutivo, Tyron Smith foi eleito um All Pro, dessa vez ficando no primeiro time, e se estabeleceu como um dos melhores Tackles de toda a NFL. Smith cedeu apenas 14 pressões nos quarterbacks do Cowboys em 18 jogos e foi mais uma vez excepcional protegendo o lado cego de Tony Romo. O camisa 77 teve a dura tarefa de bloquear jogadores como JJ Watt, Jason Pierre Paul, Jared Allen e Robert Quinn durante a temporada, e ganhou praticamente todos os duelos contra esses grandes defensores da liga.
  • Pontos Negativos: É difícil criticar um jogador da qualidade de Smith, ainda mais tendo uma grande temporada e ganhando diversos prêmios como fez. Porém, em 2014, o Left Tackle cedeu 3 sacks, dois a mais do que havia cedido na temporada de 2013. Talvez esse tenha sido o único ponto negativo em mais uma grande temporada de Tyron Smith.
  • Fica para a próxima temporada? Com toda a certeza do mundo. Tyron Smith renovou seu contrato no começo da última temporada por mais oito anos e não corre riscos de sair.

 

 

Doug Free

Foto: Ronald Martinez / Getty Images
  • Números:
    • 343 Pass block snaps
    • sacks cedidos (0,87%)
    • hits cedidos (0,58%)
    • 17 hurries cedidos (4,95%)
    • 95,0 PFF Pass Block Efficiency Rating
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 6.520.000,00
  • Situação ContratualFree Agent em 2015
  • Pontos Positivos: Free foi um jogador sólido durante toda a temporada de 2014 e foi o líder da jovem linha ofensiva do Cowboys, sendo o jogador mais veterano da unidade, com 31 anos. Free cedeu 3 sacks em 11 jogos disputados, porém teve uma ótima sequência de 9 jogos sem ceder nenhum sack em Tony Romo. Free também foi muito importante no jogo terrestre, abrindo espaços para as corridas de Murray, jogando ao lado de Zack Martin.
  • Pontos Negativos: As lesões. Free perdeu 7 dos 18 jogos do Cowboys na temporada, e apesar de Parnell ser um bom reserva, Free ainda é um jogador melhor. O ruim começo de temporada também foi uma preocupação para o camisa 68, tendo cedido 3 sacks nas duas primeiras semanas da temporada.
  • Fica para a próxima temporada? Provavelmente. Free não tem contrato garantido para 2015, porém ele já é um veterano e passou por uma cirurgia ao fim da temporada, e por isso não deve receber grandes propostas como Free Agent. Doug Free é o jogador mais experiente da linha ofensiva do Cowboys e é muito importante para a evolução dos jogadores mais novos. Com boa qualidade, confiança dos técnicos e preço razoável, Free deve jogar em Dallas na próxima temporada.

 

 

Ronald Leary

Foto: Tony Gutierrez / AP Photo
  • Números:
    • 479 Pass block snaps
    • sacks cedidos (0,62%)
    • hits cedidos (0,42%)
    • 22 hurries cedidos (4,59%)
    • 95,6 PFF Pass Block Efficiency Rating
  • Premiação Individual: Nenhuma
  • Salário em 2014: US$ 495.000,00
  • Situação Contratual: Restricted Free Agent em 2015
  • Pontos Positivos: Em seu segundo ano como titular, Leary teve mais uma temporada decente como o Left Guard de Dallas. Ele foi fundamental para o jogo terrestre da equipe, abrindo muitos espaços para as corridas de Murray, jogando ao lado de Travis Frederick e Tyron Smith. O camisa 65 teve uma ótima atuação na semana 5, quando enfrentou na maior parte da partida o Jogador Defensivo do Ano, JJ Watt. Leary vem evoluindo a cada ano, após nao ser draftado em 2012 por conta de uma lesão em seu joelho, e já é uma importante peça na linha ofensiva do Cowboys.
  • Pontos Negativos: A proteção contra o passe. Leary foi o jogador de linha ofensiva de Dallas que mais cedeu sacks em 2014, tendo cedido 5, incluindo 2 na partida contra Green Bay no Divisional Round.
  • Fica para a próxima temporada? Provavelmente. Sendo um agente livre restrito, o Dallas Cowboys oferecerá a Leary um valor não tão alto, mas o suficiente para nenhuma outra franquia cobrir e tirar o jogador de Dallas.

 

 

 Zack Martin

Foto: Tim Heitman / USA TODAY Sports
  • Números:
    • 517 Pass block snaps
    • sacks cedidos (0,00 %)
    • hits cedidos (0,38%)
    • hurries cedidos (1,55%)
    • 98,5 PFF Pass Block Efficiency Rating
  • Premiação Individual:
    • First Team All-Pro
    • Pro Bowl
    • 3º mais votado para Offensive Rookie of The Year
  • Salário em 2014: US$ 1.630.509,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2017
  • Pontos Positivos: Martin é o único jogador do Cowboys a ser eleito um All Pro em sua temporada de calouro nos últimos 45 anos. Selecionado na 16ª escolha da primeira rodada do Draft, Martin foi titular desde os primeiros dias de treinos e solidificou a linha ofensiva de Dallas, dando mais tempo para Romo lançar a bola, e mais confiança para os técnicos chamarem jogadas de corridas. Martin mudou a cara do Cowboys, passando a ser um time físico e dominante na linha de scrimmage. Martin cedeu apenas 1 sack em toda a temporada, no jogo contra o Lions nos playoffs, e já é um dos jogadores mais valiosos do elenco de Dallas. Ele tem tudo para ser um dos, se não o melhor guard da NFL nos próximos anos.
  • Pontos Negativos: Nenhum.
  • Fica para a próxima temporada? Sim. Zack Martin teve apenas sua primeira temporada na liga e ainda tem todo seu contrato de calouro para cumprir.

 

 

Travis Frederick

Foto: Matthew Emmons / USA TODAY Sports
  • Números:
    • 518 Pass block snaps
    • sacks cedidos (0,19%)
    • hits cedidos (0,38%)
    • 11 hurries cedidos (2,12%)
    • 97,9 PFF Pass Block Efficiency Rating
  • Premiação Individual
    • Pro Bowl
    • Second-Team All Pro
  • Salário em 2014: US$ 1.561.370,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2016
  • Pontos Positivos: Frederick teve uma ótima temporada em seu segundo ano na liga, e foi escolhido para o segundo time dos All Pro. Frederick foi dominante bloqueando em corridas durante toda a temporada, e evoluiu em relação a sua temporada de calouro na proteção do quarterback, cedendo apenas 1 sack após ceder 4 em 2013. Sua chegada há dois anos fez com que a linha ofensiva de Dallas tivesse uma grande evolução, e agora jogando ao lado de Zack Martin, a linha ofensiva do Cowboys se tornou a melhor da NFL. Tony Romo sempre teve problemas em sua carreira quando sofre pressão pelo interior da linha ofensiva, e a aquisição de Frederick e Martin ajudaram muito Romo a ter o pocket limpo em sua frente.
  • Pontos Negativos: Nenhum.
  • Fica para a próxima temporada? Com toda a certeza do mundo. Travis Frederick ainda está sob contrato de calouro e teve apenas sua segunda temporada na liga. Sua chance de sair antes do fim de seu contrato é (quase) zero.

 

 

Reservas

Foto: ESPN.com
  • Números: –
  • Premiação Individual: –
  • Salário em 2014:
    • Jermey Parnell: US$ 1.833.333,00
    • Tony Hills: US$ 472.253,00
    • Mackenzy Bernadeau: US$ 2.924.166,00
    • Donald Hawkins: US$ 420.000,00
  • Situação Contratual:
    • Jermey Parnell: Free Agent em 2015
    • Tony Hills: Free Agent em 2015
    • Mackenzy Bernadeau: Em contrato até 2-15
    • Donald Hawkins: Em contrato até 2016
  • Pontos Positivos: Mesmo tendo jogado pouco, os reservas tiveram um papel importante no time. Entre eles está Jermey Parnell, que substituiu Free, fora de alguns jogos da temporada lesionado. Mesmo não tendo a mesma atuação do titular, Parnell conseguiu ao menos o papel de não comprometer, o que é algo bom se tratando de um reserva.
  • Pontos Negativos: Dentre os outros reservas, apenas Mackenzy Bernadeau jogou. Em apenas uma partida, Bernadeau teve um desempenho apenas razoável, o que é muito pouco para seu salário de quase três milhões de dólares. Já os outros reservas não tiveram mais de 5 snaps na temporada inteira, sendo assim impossível de os avaliar.
  • Ficam para a próxima temporada? Assim como Doug Free, Parnell é um agente livre irrestrito, e Dallas só deve manter um dos dois para ser o right tackle titular. A primeira opção do Cowboys deve ser Free, porém caso time e jogador não cheguem a um acordo, Parnell pode receber uma proposta. Sob contrato, tanto Bernadeau quanto Hawkins devem permanecer. Já Hawkins, por ter um salário baixo, também pode ficar em Dallas, dependendo apenas de seu desempenho na pré temporada.

 

 

O que esperar da posição para 2015?

Por ter um ano quase perfeito, a linha ofensiva entrará em 2015 com a expectativa de, no mínimo, manter o nível. Com Zack Martin mais adaptado após seu ano de calouro, o guard poderá ter um desempenho ainda melhor (se é que isso é possível). Com Martin, Frederick e Smith também deverão manter o nível de 2014. O problema fica por conta dos outros dois jogadores que compõem a linha ofensiva: Doug Free e Ronald Leary.

Com seus contratos encerrando antes da temporada de 2015, há chances, mesmo que remotas, de os dois não jogarem em Dallas. Leary, por ser menos badalado e ser um agente livre restrito, deve ficar. Já Doug Free, veterano, pode acabar não conseguindo chegar a um acordo com o Cowboys e pode terminar assinando com outro time. Parnell, seu reserva, por melhor que seja, não tem a mesma habilidade de Free e pode acabar comprometendo o atual nível da OL.

Por já ter 31 anos e ter acabado de passar por uma cirurgia, Free não deve ser muito desejado por outros times na free agency, o que deve fazê-lo permanecer em Dallas. O ponto negativo é: a idade e a cirurgia comprometerão seu desempenho?

Bom, saberemos em setembro. Mas ao que tudo indica, a linha ofensiva será (mais uma vez) motivo de alegria para Tony Romo e, principalmente, a torcida.

 

 

Notas da Equipe

Nome Tyron Smith Doug Free Ronald Leary Zack Martin Travis Frederick Reservas Geral
Gabriel Plat 9,5 9,0 8,5 10 10 8,5 10
João Lucas Rodrigues 10 9,5 9,5 10 10 8,5 10
Leonardo Sangiorge 10 9,0 9,0 10 10 8,5 10
Luiz Gustavo Ferreira 10 9,5 9,5 10 10 9,0 10
Rafael Yamamoto 9,5 9,5 9,5 10 10 9,0 10
Média 9,8 9,3 9,2 10 10 8,7 10

 

 

Conclusão

A linha ofensiva do Dallas Cowboys era, sem dúvidas, o pior setor do ataque em 2012. Nesse ano, o Dallas Cowboys teve dificuldades em estabelecer o jogo terrestre e, com isso, a conta acabou sobrando para Tony Romo. Tendo que abusar do jogo aéreo, Romo acabou sofrendo muitos sacks, pelo fato de a OL não conseguir parar o pass rush adversário, e acabou cometendo muitos turnovers também.

Em 2014, entretanto, tudo mudou. Gastando as escolhas de primeira rodada de 2013 e 2014 com Travis Frederick, center, e Zack Martin, guard, respectivamente, o Dallas Cowboys fez da sua linha ofensiva a melhor da liga. Com Tony Romo bem protegido e DeMarco Murray conseguindo correr, o Dallas Cowboys teve sua melhor temporada em cinco anos, deixando de ser um time 8-8 para ser um, porque não, Super Bowl contender?

Com Tyron Smith de contrato renovado e Zack Martin e Travis Frederick ainda com contratos de calouro a cumprir, a linha ofensiva garante sua qualidade por, no mínimo, mais duas temporadas. Para uma posição carente de bons jogadores, até que o que se tem hoje não é lá de tão ruim…


Quer ver as análises de todas as posições? Então clique aqui!

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.