A série de textos do RECAP finalmente terminou de falar do time. Falamos do ataque, da defesa e do time de especialistas até chegar aqui.

O momento agora é de falar dos que comandam o time. Hoje, falaremos da comissão técnica e amanhã encerraremos falando de Jerry Jones e o front office.

Confira a análise de Jason Garrett e sua comissão abaixo.


 

Jason Garrett (Head Coach)

 

Premiação Individual

Nenhuma

 

Situação Contratual

  • Salário em 2016: US$6.000.000,00
  • Salário em 2017: US$6.000.000,00
  • Situação Contratual: Em contrato até 2019

 

Pontos Positivos

O semblante de apático que Garrett tem na sideline não mostra o que ele realmente é. O técnico possui o vestiário e a confiança dos jogadores, que firmemente apoiaram a polêmica decisão de manter Dak Prescott titular com Tony Romo pronto para jogar. Garrett ainda merece créditos por manter o desempenho do time mesmo após muitas baixas importantes ao longo da temporada, como Dez Bryant, Morris Claiborne, Barry Church, La’el Collins e o já citado Romo.

 

Pontos Negativos

Com um recorde de 13-3, os pontos negativos de Garrett acabam sendo relevados. O principal deles talvez seja seu problema no desafio de jogadas. Das três vezes que ele jogou a flanela vermelha no campo, em apenas uma sua decisão foi acertada. Seja por indicação errada de um técnico que assistiu o jogo do alto ou não, isso é algo que precisa melhorar no técnico do Dallas Cowboys.

 

Fica para a próxima temporada?

Sim. Jason Garrett afastou qualquer dúvidas sobre ele com a campanha desse ano e não corre o menor risco de sair.


 

Técnicos do Ataque

 

Membros

  • Scott Linehan (foto) – Coordenador do Jogo Aéreo
  • Frank Pollack – Técnico da Linha Ofensiva
  • Garry Brown – Técnico dos Running Backs
  • Derek Dooley – Técnico dos Wide Receievrs
  • Michael Pope – Técnico dos Tight Ends
  • Wade Wilson – Técnico dos Quarterbacks
  • Marc Colombo – Assistente da Linha Ofensiva
  • Kyle Valero – Assistente dos Wide Receivers
  • Steve Loney – Assistente Ofensivo Sênior
  • Stephen Brown – Assistente Ofensivo

 

Números

  • 26,3 Pontos marcados por jogo (5° da NFL)
  • 376,7 Jardas por jogo (5° da NFL)
  • 31:55 Minutos de posse de bola por jogo (2° da NFL)
  • 105 Faltas ofensivas na temporada (18° da NFL)
  • 879 Jardas perdidas por falta (19° da NFL)
  • 6 Interceptações totais (3° melhor da NFL)
  • 9 Fumbles perdidos (11° da NFL)
  • 28 Sacks sofridos (8º melhor da NFL)
  • 24 Touchdowns terrestres (2º da NFL)
  • 25 Touchdowns aéreos (14º da NFL)
  • 49 Touchdowns totais (6° da NFL)

 

Premiação Individual

Nenhuma

 

Pontos Positivos

O sucesso do Dallas Cowboys passou pelo seu poder ofensivo. Com Ezekiel Elliott, o jogo terrestre voltou a funcionar em todas as partidas e isso facilitou o jogo de Dak Prescott. A ausência de Dez Bryant em alguns jogos não impactou como no ano passado, méritos para o plano de jogo do Scott Linehan.

 

Pontos Negativos

Com um forte jogo terrestre na temporada, muitas chamadas em terceiras descidas foram questionadas pelo fato do Dallas Cowboys não correr. Ainda, Dez Bryant passou boa parte da temporada sumido por conta de problemas no plano de jogo em acioná-lo mais vezes. Em alguns jogos, isso fez falta.

 

Ficam para a próxima temporada?

Provavelmente sim. Havia o risco de Scott Linehan assumir o cargo de técnico principal de outro time, mas ao que tudo indica isso não deve acontecer.


 

Técnicos de Defesa

 

Membros

  • Rod Marinelli (foto) – Coordenador Defensivo
  • Matt Eberflus – Coordenador contra o Jogo Aéreo / Técnico dos Linebackers
  • Joe Baker – Técnico da Secundária
  • Greg Jackson – Técnico dos Safeties
  • Leon Lett – Técnico dos Defensive Ta
  • Ben Bloom – Técnico dos Defensive Ends
  • Turner West – Assistente Defensivo

 
Números

  • 19,1 Pontos cedidos por jogo (5° melhor da NFL)
  • 343,9 Jardas cedidas por jogo (14° melhor da NFL)
  • 28:32 Minutos cedidos de posse de bola por jogo (2° da NFL)
  • 90 Faltas defensivas na temporada (2° melhor da NFL)
  • 784 Jardas perdidas por falta (2° melhor da NFL)
  • 9 Interceptações (27º da NFL)
  • 36 Sacks (13º da NFL)
  • 18 Fumbles forçados (3º da NFL)
  • 11 Fumbles recuperados (8º da NFL)

 

Premiação Individual

Nenhuma

 

Pontos Positivos

Mais um ano se passou e mais um ano vimos o coordenador defensivo tirar leite de pedra. Sem grandes nomes na defesa, o Dallas Cowboys conseguiu ter números expressivos e se tornar a 5ª melhor da liga em pontos sofridos por jogo. A secundária, muito criticada no passado, voltou a render e foi um dos destaques do setor, além dos linebackers — leia-se Sean Lee.

 

Pontos Negativos

Por mais que a defesa tenha melhorado em forçar fumbles, o baixo número de interceptação ainda é algo que incomoda e prejudica o time. Além dele, o número de sacks se manteve abaixo da média pelo terceiro ano consecutivo, o que precisa melhorar urgentemente. Por fim, a defesa por muitas vezes na temporada demorou a “engrenar”, cedendo muitos pontos no começo do jogo. Esse foi, inclusive, um dos motivos pro time ter sido eliminado na rodada divisional dos playoffs.

 

Ficam para a próxima temporada?

Ao que tudo indica, sim. Sem nenhuma perda, o Dallas Cowboys não deve fazer alterações nos técnicos de defesa.


 

Técnicos do Time de Especialistas

 

Membros

  • Rich Bisaccia (foto) – Assistente do Técnico Principal / Coordenador do Time de Especialistas
  • Keith O’Quinn – Asisstente do Time de Especialistas

 

Números

  • 62,6% de touchbacks em kickoffs (12º da NFL)
  • 22,6 jardas cedidas por retorno de kickoff (11º da NFL)
  • 20,5 jardas conseguidas por retorno de kickoff (22º da NFL)
  • 0 touchdowns feitos em retornos de kickoff (32º da NFL)
  • 0 touchdowns sofridos em retorno de kickoff (1º da NFL)
  • 8,7 jardas sofridas por retorno de punt (4º melhor da NFL)
  • 7,1 jardas conseguidas por retorno de punt (23º da NFL)
  • 0 touchdowns feitos em retornos de punt (32º da NFL)
  • 0 touchdowns sofridos em retorno de punt (1º da NFL)
  • 84% de acertos em Field Goals (18º da NFL)
  • 45,1 jardas de distância por punt (18º da NFL)

 

Pontos Positivos

O time de especialistas do Dallas Cowboys voltou a ser seguro. Sem arriscar muito em retornos, o ST não sofreu turnovers e ainda viu Chris Jones melhorar seu desempenho.

 

Pontos Negativos

Dan Bailey teve a pior temporada da carreira, que pode até ser relevado por conta de uma possível lesão que ele lidou ao longo do ano. Ainda assim, o time continuou péssimo retornando chutes, coisa que deve cair no colo do retornador principal, Lucky Whitehead.

 

Ficam para a próxima temporada?

Sim. Nenhum dos dois coordenadores correm risco de perderem seus respectivos cargos.

 


O que esperar da comissão técnica para 2017?

 

Regularidade. Com a comissão técnica inteira mantida para a próxima temporada, a principal missão deles será acabar com a montanha russa de temporadas boas e ruins que o Dallas Cowboys alterna ano após ano. E para fazer isso, eles precisam focar em uma pessoa: Dak Prescott.

quarterback calouro precisa evitar ser um jogador que brilha por uma temporada e depois some e para que isso não aconteça ele precisa evoluir. Essa evolução precisará partir da comissão técnica, que precisa trabalhar bastante com o jogador para adaptar o time ao redor dele e, principalmente, fazer os ajustes necessários para lidar com as defesas da próxima temporada — que estarão mais preparadas para encarar Prescott, por sinal.

Feito isso, o resto do time precisa basicamente se manter no mínimo no mesmo nível. Entre mudanças em alguns setores, é possível que haja uma evolução ou o contrário, dependendo de como a comissão técnica montará o time para a próxima temporada.


 

Notas da Equipe

 

Nome Jason Garrett Técnicos do Ataque Técnicos da Defesa Técnicos do Special Teams Geral
Gabriel Plat 9,5 9,0 8,5 5,0 8,5
João Lucas Rodrigues 10 9,5 9,0 6,0 9,0
Leonardo Sangiorge 10 9,0 9,5 6,0 9,0
Luiz Gustavo Ferreira 10 9,0 9,5 6,0 9,0
Rafael Yamamoto 10 9,0 10 7,0 9,0
Média 9,9 9,1 9,3 6,0 8,9

 

As notas são dadas com o que cada jogador rendeu com base no que ele era esperado render. Assim, não estranhe se você ver um jogador que você acha que jogou menos que outro, mas que possui uma nota maior.

 


 

Conclusão

 

Em 2015, a péssima campanha colocou a comissão técnica em xeque. Afinal, qual dos dois anos teria sido atípico: 2014 ou 2015? A resposta veio em campo.

Com uma campanha de 13 vitórias e 3 derrotas, a comissão técnica espantou qualquer comentário negativo sobre ela e sobre o time, que superou muitas perdas ao longo da temporada para terminar com a melhor campanha da história da franquia.

Obviamente ainda faltam coisas a serem corrigidas, mas a comissão técnica está no caminho certo. Um time bem treinado consegue superar as adversidades, e com boas peças no time, ele se torna uma ótima equipe. Se a comissão técnica conseguir manter Dak Prescott evoluindo para o futuro, boas coisas estarão reservadas para o Dallas Cowboys.


Quer ver as análises de todas as posições do time? Então clique aqui!

 

Gabriel Plat

Editor-Chefe em Blue Star Brasil
Curte NFL por escolha e o Dallas Cowboys por amor. Aprecia a boa música e compartilha outro sofrimento: o Botafogo. Um dos participantes do podcast.