O chefe de arbitragem da NFL, Dean Blandino, comentou nesta última sexta-feira (15) sobre a tentativa de recepção de Dez Bryant em janeiro de 2015, contra o Green Bay Packers. Apesar das novas regras, Blandino continua com a mesma opinião sobre o lance.

“Continua não sendo uma recepção”, ele declarou num evento de arbitragem da NFL realizado no D-FW Airport Marriot, em Irving, Texas.

Blandino comentou sobre várias mudanças das regras, mas o primeiro questionamento que ele teve que lidar foi a decisão de alterar algumas palavras no texto que explica a recepção da bola.

De acordo com o texto da NFL, a nova regra apenas esclarece melhor a antiga:

A descrição da recepção está mais elaborada, proporcionando um entendimento melhor da regra. Para concluir uma recepção, o recebedor deve claramente se tornar um corredor. Ele faz isso ao conseguir o controle da bola, tocando ambos os pés no chão, e então, após o segundo pé tocar no chão, ele deve ter tempo suficiente para se tornar um corredor, movimento tal que é definido como a capacidade de afastar ou proteger-se do contato iminente. Se antes de se tornar um corredor, o recebedor cai ao chão em uma tentativa de realizar a recepção, ele deve manter o contato da bola após o contato com o chão. Se ele perder o controle após o contato com o chão e a bola toca no solo antes dele recuperar o controle da mesma, o passe é incompleto. Quando você está tentando completar uma recepção, você deve se assegurar de que a bola não ficará solta.

Blandino ratificou que a mudança é no texto, e não na regra.

“Controle, além de dois pés e tempo de posse”, explicou. “Todos concordam com o fator ‘pés ao solo’, mas é no elemento do tempo que o assunto passa a ser discutível. É subjetivo, mas o que este elemento significa é ter a bola tempo suficiente após o segundo pé no chão para se tornar um corredor. Para ter a capacidade de guardar a bola e correr para frente, mostrando que não é apenas uma tentativa de garantir a posse. Este elemento tempo dá propriedade suficiente aos árbitros para validarem ou não a recepção.”

Dean Blandino acrescentou ainda que as recepções do passado consideradas incompletas continuarão sendo incompletas.

Ao citar o passe invalidado de Romo para Bryant contra Green Bay, ele se limitou a dizer que o lance foi revisto por muitas vezes após o jogo devido às circunstâncias cruciais daquele momento da partida, mas que, no geral, outros 30 ou 40 lances parecidos foram revistos com intuito de fortalecer o novo texto.

“Estamos longe de estarmos preocupados [com o lance de Bryant], a regra foi aplicada da maneira correta”, finalizou.

Márcio Silveira
Sigam-me

Márcio Silveira

Colaborador em Blue Star Brasil
Torcedor do Dallas Cowboys desde 2011, quando passou a acompanhar a NFL. Sonha em ver o time no Super Bowl cada vez que a temporada começa.
Márcio Silveira
Sigam-me