Ryan Switzer espera que o Dallas Cowboys logo perceba o que realmente têm nele.

O novato foi selecionado na quarta rodada do draft da NFL em 2017 pela sua proeza como retornador, o que é mais do que justificado, considerando que ele era indiscutivelmente o melhor do país. Agora, 13 jogos em sua primeira temporada como profissional, ele está provando que a decisão dos Cowboys foi correta. Ele já é um dos melhores da NFL em retornos, entrou na semana 14 com a segunda média de retorno mais alta na NFL.

“Foram alguns altos e baixos” disse Switzer quando perguntado sobre o seu papel atual, ou a falta dele, no ataque. “Você sabe, houve alguma frustração. … Eu não sou apenas um retornador. Eu também sou um recebedor”.

“Eu fiz isso muito bem na universidade da Carolina, e sei que posso trazer para o time”.

Essa é uma descrição humilde do que ele realizou em Chapel Hill, para dizer o mínimo.

Switzer foi duas vezes All-American, atualmente detém o recorde escolar para mais passes recebidos e mais jardas recebidas, também obteve as honras de ser First-Team All-ACC, tanto como recebedor e retornador. Ele terminou o seu último ano na UNC tendo 1.112 jardas de recepção e seis touchdowns, e teve a menor porcentagem de drops no país.

Então sim, ele também é um recebedor.

“O que eu trago à mesa é forte”, disse Switzer. “Espero que o jogo seja jogado, algo vai mudar e eu vou pegar minha chance”.

Com a temporada regular aproximando-se de seu final, Switzer esteve em apenas 59 ataques ofensivos, o suficiente para menos de cinco por jogo.

Com esse dever limitado, ele só foi alvo duas vezes pelo quarterback Dak Prescott e tem apenas nove jardas recebidas no ano. Curiosamente, os Cowboys e o coordenador ofensivo Scott Linehan realmente tentaram usá-lo mais como um running back do que como um wide receiver, como comprovado por suas tentativas de corrida sendo o dobro das suas recepções.

Ele foi capaz de entregar apenas cinco jardas corridas. Se você está mantendo a contagem, são apenas 14 jardas totais de ataque nesta temporada para um jogador que é uma ameaça sempre que ele toca a bola.

Neste ponto, Switzer está tomando a abordagem correta em como ele está lidando com tudo, mesmo que os Cowboys ainda não estejam.

Vinicius Iori

Vinicius Iori

Colaborador em Blue Star Brasil
Torce, ama e sofre com o Cowboys desde 2006 e sonha em assistir um jogo no AT&T Stadium.
Vinicius Iori